Marcelo deseja que Espanha "continue percurso como grande democracia"

Presidente da República escusou-se a comentar em Pequim o resultado das eleições legislativas em Espanha: "É um assunto da vida política espanhola". "Aquilo que for bem para a Espanha é bom para a Europa e, naturalmente, é também bom para Portugal", disse.

O Presidente da República escusou-se esta segunda-feira a comentar em Pequim o resultado das eleições legislativas em Espanha, mas expressou o desejo de que o país vizinho "continue o seu percurso como grande democracia, como grande economia".

"O que nós desejamos é que, como sempre, a Espanha continue o seu percurso como grande democracia, como grande economia, como grande país irmão, vizinho, e portanto, como sabem, com uma projeção na Europa e no mundo que é indiscutível", afirmou.

Marcelo Rebelo de Sousa, que iniciou esta segunda-feira uma visita de Estado à China, foi questionado sobre as eleições espanholas deste domingo durante uma visita ao Templo dos Lamas, em Pequim, e recusou "comentar o que se passa em Espanha", por estar fora do país, adiantando que também não o faria "mesmo que estivesse em Portugal". "É um assunto da vida política espanhola", justificou.

Em seguida, expressou o desejo de que o país vizinho "continue o seu percurso como grande democracia, como grande economia" e considerou que "aquilo que for bem para a Espanha é bom para a Europa e, naturalmente, é também bom para Portugal".

O Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) foi o mais votado nas eleições legislativas de domingo em Espanha, mas sem maioria absoluta, conquistando cerca de 29% dos votos e elegendo 122 dos 350 deputados do parlamento. O Partido Popular (PP) ficou em segundo lugar, com perto de 17% dos votos e 66 deputados, seguindo-se o Cidadãos, com 57 deputados, e o Unidas Podemos, com 42 deputados.

Este escrutínio, no qual foram já apurados 99,99% dos votos, ficou marcado pela entrada, pela primeira vez desde o fim da ditadura, da extrema-direita no parlamento espanhol, através do Vox, que obteve cerca de 10% dos votos e elegeu 24 deputados.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.