Bloco considera "boa notícia" derrota da direita e extrema-direita

Eurodeputada Marisa Matias mostrou-se preocupada com o reforço de forças partidárias extremistas e sublinha como positivo o facto de partidos de direita e extrema-direita não conseguiram formar uma maioria.

A eurodeputada do Bloco de Esquerda (BE), Marisa Matias, classificou esta segunda-feira como uma "boa notícia" a derrota da direita e extrema-direita nas eleições espanholas, mas também se mostrou preocupada com o reforço daquelas forças partidárias.

"Creio que a boa notícia é que a direita em conjunto com a extrema-direita saíram derrotadas e não conseguiram formar uma maioria. Era um risco que estava na iminência de poder acontecer e é um aviso. Na realidade é um aviso àquilo que são os riscos e as ameaças que existem para a democracia, não apenas em Espanha, mas, como estamos já a ver, em toda a Europa", afirmou.

Marisa Matias falava no Fundão, distrito de Castelo Branco, onde hoje participou numa arruada do BE no mercado semanal local. "O facto de ter havido uma maioria que se pode ainda constituir para um governo progressista com um acordo à esquerda, creio que acaba por ser uma boa notícia, apesar de tudo e no cenário que estava inicialmente previsto", acrescentou.

Olhando para o resultado global, a eurodeputada também se mostrou preocupada com o reforço de partidos como o Vox por considerar que estão em causa "forças que representam verdadeiramente uma ameaça" àquilo que se considera fundamental numa democracia. "É apenas o medo, o ódio, mas nenhuma proposta concreta", apontou.

A dirigente bloquista, que é também candidata às próximas eleições europeias, reiterou que a votação de 10% alcançada pelo Vox "é muito", quando se está a falar "de forças antidemocráticas" e deixou votos para que em Portugal haja capacidade de não permitir que essa realidade ganhe espaço.

"Creio que o fundamental é darmos respostas aos problemas concretos das pessoas, é darmos respostas no combate à pobreza, no combate à desigualdade. É esse o caminho, não é seguramente o reforço das forças de extrema-direita e, como disse, espero que em Portugal consigamos limitar esse crescimento, que temos assistido um pouco por toda a Europa", acrescentou.

Nas eleições gerais realizadas no domingo o PSOE elegeu 123 deputados (28,68% dos votos), o PP 66 (16,70%), o Cidadãos (direita liberal) 57 (15,86%), o Unidas Podemos (extrema-esquerda) 42 (14,31%) e o Vox 24 (10,26%).

A futura composição da câmara baixa das Cortes Gerais espanhola está assim repartida por estes cinco partidos e por outros regionais mais pequenos, como os separatistas catalães e os nacionalistas bascos.

Como partido mais votado, o PSOE vai tentar encontrar o apoio de outros para tentar alcançar uma maioria absoluta de 175 mais um num total de 350 deputados.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG