ERC chumba demissão de diretores-adjuntos da RTP

Direção de informação, liderada por Maria Flor Pedroso, tem que fundamentar melhor a substituição dos adjuntos, considera a Entidade Reguladora

De acordo com o comunicado publicado no site da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), o Conselho Regulador deliberou esta quinta-feira "não dar parecer favorável às destituições de Vítor Manuel Gonçalves Loureiro e de João Fernando Correia Ramos dos cargos de Diretores Adjuntos da Direção de Informação de Televisão da RTP, por considerar que o operador público não fundamentou adequadamente os pedidos de exoneração".

Vítor Loureiro e João Fernandes Ramos eram adjuntos de Paulo Dentinho, que colocou o seu lugar à disposição em outubro. A nova direção da estação pública seria composta por Maria Flor Pedroso, tendo como adjuntos Cândida Pinto, Helena Garrido, Hugo Gilberto e António José Teixeira.

Porém, como considera que a demissão dos dois adjuntos não foi suficientemente fundamentada pela RTP, a ERC diz que não pode "aquilatar da bondade - leia-se, regularidade - do seu afastamento", escreve o comunicado, acrescentando: "E nem se alegue ser prática corrente que um novo Diretor de Informação pode, sem mais, escolher a sua "equipa" de trabalho, pois esse argumento não é de acolher".

Esta tomada de posição foi aprovada por quatro dos elementos do Conselho Regulador (Sebastião Póvoas, Francisco Azevedo e Silva, Fátima Resende e João Pedro Figueiredo), com o voto contra de Mário Mesquita. Na sua declaração de voto, Mário Mesquita afirma que considera "que o fundamento para a demissão de João Fernandes Ramos e Vítor Gonçalves residia na constituição de uma nova equipa criativa", dando-se por satisfeito com essa explicação.

A ERC não emitirá assim qualquer pronúncia sobre os novos nomes propostos pela RTP para assumirem o exercício dessas funções, Cândida Pinto e Helena Garrido, "uma vez que os cargos não se encontram efetivamente vagos".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG