Cristas recorda coragem de fundador. CDS adapta, mas não cancela campanha

Assunção Cristas evocou o passado de Diogo Freitas do Amaral, como fundador, e "a coragem" necessária para defender as ideias do partido no período pós-25 de Abril de 1974. A líder do CDS anunciou que o partido vai adaptar a campanha eleitoral, mas não a cancela

A notícia da morte de Freitas do Amaral, fundador do CDS, foi esta quinta-feira recebida durante um almoço de campanha para as legislativas em Barcelos, Braga, e a líder centrista pediu aos militantes que cumprissem um minuto de silêncio.

No almoço, Assunção Cristas evocou o passado de Diogo Freitas do Amaral, como fundador, e "a coragem" necessária para defender as ideias do partido no período pós-25 de Abril de 1974.

Primeiro, pediu que se interrompesse o almoço para anunciar, aos presentes, que Freitas do Amaral tinha morrido e pediu um minuto de silêncio.

Cristas recordou o fundador -- "a quem devemos a fundação do CDS" -- e os tempos difíceis em foi criado o partido do Centro Democrático Social, juntamente com dirigentes como Adelino Amaro da Costa.

"Eu, enquanto presidente do CDS, só posso estar grata por esse trabalho, por essa coragem, tantas vezes debaixo da ameaça, tantas vezes debaixo de fogo", disse.

A presidente centrista admitiu que houve momentos em que Freitas "se afastou mais do pensamento do CDS", como quando foi ministro num governo do PS.

CDS faz ajustamentos na campanha eleitoral depois da notícia da morte do seu fundador

"Mas isso não nos pode deixar esquecer que na base do partido esteve a coragem de Diogo Freitas do Amaral e muitos que com ele, como Adelino Amaro da Costa, ousaram criar um partido que é fundador da nossa democracia", concluiu.

De seguida, os presentes no almoço, informal, de campanha, observaram um minuto de silêncio.

No discurso de menos de quatro minutos, afirmou que o partido já colocou a bandeira à meia haste depois de ser conhecida a notícia da morte de Diogo Freitas do Amaral.

"Não ficamos indiferentes a esta triste notícia e vamos fazer ajustamento para a poder manter, para introduzir a sobriedade que o momento exige" e fazer "campanha com sobriedade".

O CDS mantém, para já, as ações de campanha previstas para o resto do dia de hoje.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG