Cristas condena tentativa de agressão, CDS não apresenta queixa

O CDS-PP, admitiu, não vai apresentar queixa contra a mulher que tentou agredir a líder porque "não é possível sequer identificar a senhora", dado que "foi tudo muito rápido".

A líder do CDS, Assunção Cristas, falou esta quinta-feira sobre a tentativa de agressão na véspera, no Porto, e condenou "qualquer tipo de violência e agressão", mas o partido não vai apresentar queixa.

"Não é aceitável que alguém que não concorda connosco tenha aquele tipo de atitude agressiva. Falo com todas as pessoas, concordem ou não concordem. Mas uma coisa é falar outra coisa é agredir", disse aos jornalistas, no final da visita à feira de Barcelos, Braga, integrada na campanha para as legislativas de domingo.

O CDS-PP, admitiu, não vai apresentar queixa contra a mulher que a tentou agredir, numa arruada, no Porto, porque "não é possível sequer identificar a senhora", dado que "foi tudo muito rápido"

"Não é aceitável que alguém que não concorda connosco tenha aquele tipo de atitude agressiva. Falo com todas as pessoas, concordem ou não concordem. Mas uma coisa é falar outra coisa é agredir"

"Lamento que haja pessoas, não sei com que tipo de motivações, que tem aquele tipo de atitudes. Não é assim que se vive em democracia, não é assim que se respeitam todos os pontos de vista", concluiu.

Até ao final da campanha, na sexta-feira, a líder centrista promete continuar a falar com as pessoas e dos problemas que, segundo diz, lhe colocam quando sai à rua.

"Se há coisa que não nos falta no CDS é vontade e coragem para falar com todas as pessoas, receber força e dar força às pessoas", disse.

E promete também falar dos problemas das "pessoas que vivem estranguladas com impostos", "pessoas que vão ao hospital e não tem consultas nem medicamentos", e pedir a "quem não está satisfeito, quem quer uma mudança, quem entende que esta solução governativa do PS com a esquerda] não funciona tem um voto direto, que é no CDS".

Polémica com Rui Moreira

Outra polémica que transitou de quarta-feira foi a presença, anunciada e depois cancelada, do presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, numa espetáculo na Casa da Música, no Porto, interpretado como um sinal de apoio ao CDS-PP.

"Estava previsto estarmos num mesmo espetáculo e aparentemente houve ali um equívoco, que está ultrapassado", disse, dizendo que houve "uma sobreinterpretação" do que foi anunciado pelo partido: a presença dos dois num espetáculo.

Depois dos momentos de tensão na quarta-feira no Porto, a visita de hoje no centro e na feira de Barcelos decorreu de forma distendida, Cristas recebeu muitas promessas de apoio, deu panfletos e beijos às pessoas que foram "feirar", alguns deles agricultores.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG