Consultor do PSD demite-se após investigação de perfis falsos

Rodrigo Gonçalves, o dirigente do partido que em outubro assumiu um papel de relevo na estrutura de Rui Rio, demitiu-se, este domingo, na sequência de uma notícia do DN sobre perfis falsos nas redes sociais.

Num comunicado, com data de domingo, Rodrigo Gonçalves anuncia a sua saída do cargo de consultor de comunicação do PSD. "O que me move é o sentido de responsabilidade e por isso tomei hoje a iniciativa de deixar de colaborar no plano profissional, com o PSD."

Esta decisão foi tomada após a publicação, no sábado, de uma investigação do Diário de Notíciasque dava conta da existência de uma série de perfis falsos, no Twitter e no Facebook, que espalhavam mentiras sobre adversários políticos do partido. Rodrigo Gonçalves era mencionado no trabalho como sendo uma das quatro pessoas, reais, que interagiam com as contas fictícias.

No seu comunicado, Rodrigo Gonçalves contrapõe a sua versão destes factos, garantindo que não tem "nenhuma ligação" com as contas falsas: "No passado sábado fui confrontado com uma notícia do Diário de Notícias que, com base em argumentos falsos no que a mim diz respeito, tentava ligar-me a perfis das redes sociais a que não tenho nenhuma ligação. Desta forma pôs em causa o meu bom nome, a minha honra e a minha imagem."

Para o conselheiro nacional do PSD, isso deve-se a alegadas "agendas pessoais de "fontes" internas e externas ao PSD, só posso associar estas notícias e o seu timing a esse fator eleitoral". O DN mantém o que escreveu, e cujas fontes estão citadas - nomeadamente o trabalho de pesquisa desenvolvido com um grupo de investigadores universitários do ISCTE.

A razão para a demissão, esclarece Rodrigo Gonçalves, é também pessoal: "Na minha vida existem hoje prioridades invioláveis e a principal responsabilidade que tenho é defender e salvaguardar a minha família. Por isso não posso permitir que sejam afetados pelas calúnias, pela difamação, pela desinformação e pela má-fé que abunda no espaço mediático e político. Tenho o dever de os proteger."

Considerando que pode estar em causa a existência de "uma arma de arremesso político contra o Dr. Rui Rio", Rodrigo Gonçalves acrescenta que têm sido vários os "ataques" ao líder do partido. "Temos assistido a ataques a muitos dos que estão próximos do líder do PSD, desde dirigentes a colaboradores, com um único objetivo de destruir os projetos que tem para o PSD e para o País. Mas comigo não contam para ser bode expiatório dessa campanha."

Por isso, apesar de se ter demitido das funções que desempenhava, o conselheiro nacional do PSD garante que continuará a dar apoio a Rio. "Mantenho, no plano político, o meu total empenho, como faço desde a primeira hora, mas agora ainda mais reforçado, para fazer vencer o projeto do PSD e do Dr. Rui Rio, ultrapassando todos os obstáculos reais ou fabricados que se apresentem no caminho."

O comunicado termina com essa garantia: "Que fique claro que não limitarei, em nenhuma circunstância, a minha liberdade de intervenção política, que é seguramente compatível com o meu sentido de responsabilidade e compromisso para com o que tenho de melhor que é, em primeiro lugar a minha família e depois o meu Partido."

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.