Consulado em Londres. Rio mantém pressão para melhores condições

O líder do PSD vai continuar a insistir na necessidade de reforçar as condições do consulado-geral português em Londres por causa do Brexit. Após a sua visita à capital britânica, o governo já sinalizou um espaço para instalar mais serviços administrativos.

Rui Rio vai manter a pressão sobre o governo para que se criem melhores condições no consulado português em Londres e para que seja arranjado um espaço para que a comunidade portuguesa vá votar nas eleições legislativas. O líder do PSD esteve na capital britânica no final de março e apontou a falta de resposta do consulado-geral para atender os portugueses. O DN sabe que, depois disso, o governo já arranjou um espaço para ampliar os serviços administrativos daquele consulado.

Numa recente visita de dois dias à capital britânica, após a visita ao consulado-geral Rio manifestou-se preocupado com a falta de capacidade de resposta para atender os portuguesa que procuram fazer os seus documentos de identificação.

"A capacidade de resposta dos serviços consulares para municiar os portugueses todos com estes documentos está muito reduzida, é muito baixa, é muito difícil. O consulado reclama há muito tempo do Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) um reforço dos meios, mas esse reforço foi sempre fraco ao longo do tempo e hoje é particularmente fraco e há uma particular falta de resposta", afirmou aos jornalistas na altura.

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, tinha anunciado um plano de contingência que incluía medidas como o reforço dos postos com meios humanos e equipamento, o alargamento do horário de funcionamento, além de uma linha telefónica dedicada. O que parece agora estar a concretizar-se.

Ainda em Londres, o líder do PSD apontou o dedo ao Executivo: "O governo não conseguiu a tempo e horas - e o a tempo e horas era há dois anos - municiar os consulados aqui em Inglaterra para as necessidades que previam que viessem a existir, como é evidente que estão a existir".

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.