CGTP e BE em "sintonia" na exigência ao PS de reverter alterações à lei laboral

Parlamento discute e vota a 06 de julho o pacote legislativo do Governo de alterações à legislação

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, e o deputado bloquista José Soeiro estiveram esta sexta-feira em "sintonia" contra a proposta de lei do Governo para alterar as leis laborais, apelando aos deputados socialistas que votem "à esquerda".

Após reunião no parlamento, o líder da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP), questionado sobre a possibilidade de os socialistas apresentarem ainda mexidas face à iniciativa do executivo, afirmou: "não basta dizer que se é de esquerda, é preciso que os deputados do PS se sintam livres para votar ao lado da esquerda rejeitando esta proposta de lei".

"Contamos que ainda se possa anular as medidas que foram acordadas com os patrões e que criam novas formas de precariedade, que foram negociadas à última hora e anulam grande parte das medidas que o PS e o Governo tinha acordado com a esquerda para combate à precariedade", disse também o parlamentar do BE.

Arménio Carlos começara por afirmar que "há uma sintonia da posição do grupo parlamentar do BE relativamente às posições que a CGTP defende", uma vez que "a proposta de lei, ao invés de combater a precariedade e a política de baixos salários, vai não só perpetuá-las, como acentuá-las".

A proposta do Governo, na prática, tenderá a acentuar a precariedade no terreno e a fazer baixá-la nas estatísticas

Para o dirigente sindical, "os deputados do PS que defendem efetivamente uma revisão da lei para repor direitos e, simultaneamente, valorizar o trabalho não podem votar favoravelmente uma lei que contraria tudo isso e vai ao encontro dos interesses da direita e aspirações da direita".

"O BE leva sete projetos de lei à discussão que visam também reverter os cortes que a direita introduziu na legislação do trabalho em 2012. Nós entendemos que o saldo desta legislatura, do ponto de vista laboral, não pode ser transformar em estruturais cortes colocados no Código do Trabalho pela direita e apresentados como correspondendo a uma situação de exceção no país", declarou ainda o deputado bloquista.

O parlamento discute e vota em 06 de julho o pacote legislativo do Governo de alterações à legislação laboral, coexistindo propostas alternativas de BE, PCP, PEV e PAN, tendo o grupo parlamentar do PS admitido recentemente vir a apresentar também iniciativas sobre o assunto.

O acordo laboral entre os parceiros sociais foi fechado em 30 de maio no Conselho Económico e Social (CES) pelo executivo socialista, quatro confederações patronais - CIP, CCP, CTP e CAP - e a confederação sindical UGT, mas a CGTP ficou de fora por considerar que o documento "perpetua a precariedade"

Em causa estão a extinção do banco de horas individual, a duração dos contratos a prazo limitada a dois anos, a introdução de uma taxa adicional à Taxa Social Única (TSU) para penalizar empresas que abusem da contratação a termo e o alargamento do período experimental para seis meses para os trabalhadores à procura do primeiro emprego e para os desempregados de longa duração.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...