141 mil jovens convocados para Dia da Defesa Nacional em 2019

A participação no Dia da Defesa Nacional é obrigatória e abrange este ano os cidadãos nacionais nascidos no ano 2000. Na edição do ano anterior, participaram 102.919 jovens dos 119.587 convocados

Cerca de 141 mil jovens portugueses com 18 anos foram convocados para o Dia da Defesa Nacional, a partir de quinta-feira, segundo o Ministério da Defesa, que considera que o modelo "não está gasto".

O plano das atividades do Dia da Defesa Nacional de 2019 vai ser apresentado esta terça-feira ao fim do dia na Base Aérea n-º 5, em Monte Real, pela secretária de Estado da Defesa Nacional, Ana Santos Pinto.

A participação no Dia da Defesa Nacional é obrigatória e abrange este ano os cidadãos nacionais nascidos no ano 2000, 121.520 (a residir em território nacional) e 19.810 a residentes no estrangeiro.

De acordo com dados do Ministério da Defesa, na edição do ano anterior, participaram 102.919 jovens dos 119.587 convocados. Dos 66.566 que responderam a um inquérito distribuído no dia das atividades, 72% eram estudantes, e 11,4% eram empregados, 10% eram trabalhadores-estudantes e 6,2% desempregados.

Questionados sobre que avaliação fazem do modelo do Dia da Defesa Nacional, 80% respondeu que "gostou ou gostou muito" da iniciativa e apenas 1,3% considerou que "não deveria ser informado de maneira nenhuma".

"A sistemática avaliação positiva que os jovens fazem do DDN, associado à perceção correta do seu objetivo e à validação da sua forma de implementação, mostram-nos que o caráter obrigatório desta iniciativa não é um fator detrator da mesma, nem os jovens aparentam percecioná-la como algo negativo para a sua cidadania", considerou o Ministério da Defesa Nacional, num documento que resume os resultados do inquérito, divulgado à Lusa.

Para o Ministério da Defesa, as "evidências expostas" demonstram que "o modelo atual não está `gasto´ e tem conseguido renovar-se e evoluir com os jovens portugueses".

Segundo os dados, "72,9% dos jovens" mostram "uma expressiva vontade de assistir a treinos militares" e 57,4% respondeu que "gostaria de passar uma semana numa unidade militar".

Ainda nas "sugestões" para melhorar o modelo do Dia da Defesa Nacional, 13,6% respondeu que devia ser aumentada a participação de outras instituições civis.

O Dia da Defesa Nacional visa "sensibilizar os jovens para a importância da defesa nacional

Segundo o Ministério da Defesa, os resultados do inquérito revelam que 88,1% dos jovens "confia ou confia totalmente nas Forças Armadas".

O Dia da Defesa Nacional visa "sensibilizar os jovens para a importância da defesa nacional e divulgar o papel das Forças Armadas" e decorre nos Centros de Divulgação do Dia da Defesa Nacional, sedeados em unidades militares dos três ramos das Forças Armadas.

A comparência é obrigatória para todos os cidadãos portugueses de 18 anos de idade e quem faltar sem justificação está sujeito ao pagamento de uma coima.

A GNR, a Autoridade Nacional de Proteção Civil, os ministérios da Educação e da Saúde, governos regionais e câmaras municipais estão também envolvidos nas atividades do Dia de Defesa Nacional.

O serviço militar deixou de ser obrigatório em 2004

Durante as atividades, os jovens participam em ações de formação sobre as missões essenciais e a forma de organização e recursos dos três Ramos das Forças Armadas (Marinha, Exército e Força Aérea), as principais ameaças e riscos à sociedade portuguesa e as diferentes formas de prestação de serviço militar.

O serviço militar deixou de ser obrigatório em 2004. A partir de 2010, deixou também de ser obrigatório fazer o recenseamento, passando os serviços a manter uma base de dados com essas informações.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.