Centro histórico de Lisboa perdeu 14,6% dos eleitores em cinco anos

Freguesias de Santa Maria Maior e Misericórdia, que integram bairros como Alfama, Mouraria, Castelo e Bairro Alto, concentram 45% do alojamento local de toda a cidade. (Publicado originalmente a 18 de outubro de 2018)

As freguesias do coração histórico de Lisboa perderam, entre 2013 e 2017, 14,6% dos seus eleitores - ou seja, em traços largos, de residentes. A perda atinge a mesma proporção em Santa Maria Maior e na Misericórdia, que no conjunto integram os bairros de Alfama, Mouraria, Castelo, Baixa, Chiado, Bairro Alto e Madragoa. Um decréscimo que é coincidente no tempo com o boom do turismo na capital. E junta-se a outro dado relevante: nesta altura, as duas freguesias concentram 45% do alojamento local (AL) registado em toda a cidade de Lisboa.

Os números constam do "Estudo Urbanístico do Turismo em Lisboa", feito pela Câmara Municipal para fundamentar a criação de zonas de contenção ao alojamento local na cidade, a que o DN teve acesso.

De acordo com o estudo, a generalidade das freguesias lisboetas sofreu uma perda de eleitores nos últimos cinco anos, mas o decréscimo mais expressivo é precisamente no centro histórico. E, logo a seguir, surgem outras duas freguesias onde o alojamento local tem vindo a ganhar grande expressão: São Vicente, que integra o bairro da Graça, perdeu 9,5% dos eleitores. E a freguesia de Santo António, que tem menos 8,3% de eleitores.

As causas desta diminuição não são especificadas, mas fica claro que a perda de residentes ocorre em simultâneo com um crescimento exponencial dos fogos afetados a alojamento local. Em Santa Maior, a freguesia de Lisboa com mais AL, estavam registados em agosto deste ano 3672 alojamentos locais. A abertura de novas unidades aumentou exponencialmente nos últimos anos. Em 2013 abriram 42 estabelecimentos, em 2014 já foram 231, um ano depois 596, em 2016 abriram 855, o ano passado 928, e este ano, até 21 de agosto, 912.

O fenómeno é idêntico na Misericórdia, que tem registados 2942 estabelecimentos para arrendamento de curta duração, com aumentos ao ano na ordem das centenas.

Há um outro dado relevante que consta do estudo, referente à propriedade da habitação, e que enquadra as sucessivas notícias de despejos nos bairros mais antigos da capital - "É nas freguesias do centro histórico que ainda é mais alta a percentagem de fogos arrendados". Em Santa Maria Maior, 72% dos fogos são arrendados - é a maior percentagem da cidade. Logo a seguir surge a Misericórdia, com 63% das casas em regime de arrendamento.

O estudo da câmara de Lisboa é claro na conclusão de que a mudança de uso de edifícios habitacionais para turismo - nas sua diversas modalidades - tem "retirado um número de fogos muito relevante ao stock de habitação permanente e provocado uma forte pressão inflacionista no mercado imobiliário em Lisboa". Esta pressão, "muito sentida no centro histórico, está a atingir de forma mais ou menos acentuada todas as freguesias de Lisboa".

O relatório salienta que "de algum modo, a redução de stock de habitação tem sido compensada com a reabilitação de prédios que estavam em ruína/devolutos e em mau/péssimo estado de conservação". Os dados apontam para 1675 edifícios declarados devolutos e ocupados com AL, um fenómeno que também é mais expressivo nos bairros históricos. No caso do Castelo/Alfama/Mouraria, 25% do total de alojamentos locais situa-se em imóveis que estavam declarados como devolutos. No Bairro Alto e Madragoa a percentagem é de 20%.

Mais de um quarto das casas são alojamento local

Conclusões que vêm juntar-se às que foram conhecidas na passada semana - resultado de uma apresentação preliminar deste estudo, então noticiada pelo DN -, segundo as quais mais de um quarto dos fogos nos bairros do Castelo, Alfama, Mouraria, Bairro Alto e Madragoa estão afetos ao alojamento local.

Este é precisamente o critério usado pela autarquia para definir as futuras áreas de contenção, onde vai deixar de ser possível abrir novas unidades para arrendamento de curta duração - uma possibilidade prevista na nova lei do alojamento local, que entra em vigor na próxima segunda-feira.

Castelo, Alfama, Mouraria, Bairro Alto e Madragoa já ultrapassaram a fasquia - os três primeiros bairros, situados na freguesia de Santa Maria Maior, já vão nos 29%; os dois últimos estão nos 27%.Mas há outras áreas da cidade de Lisboa que já estão em cima do valor limite. É o caso da Avenida da Liberdade, da Avenida da República e da Avenida Almirante Reis.

A declaração daqueles bairros como zona de contenção vai avançar já, antes da criação do regulamento municipal sobre esta matéria, e pode vigorar pelo período de um ano. Após este prazo, a zona de contenção pode ser mantida, já à luz do regulamento camarário, tendo de ser revista (pode ser mantida ou não) após dois anos.

Escritórios dão lugar a turismo e habitação

O estudo da câmara de Lisboa levanta também o cenário de o turismo e a habitação estarem a ocupar espaços até agora reservados a serviços - "É de sublinhar o movimento de deslocalização e reorganização dos escritórios que se verifica na cidade, tendência esta que se acentuou nos últimos dois anos".

De acordo com os dados da autarquia "estima-se que já foram subtraídos, como espaços de escritórios, cerca de 600.000 metros quadrados, os quais foram reocupados por habitação e turismo".

(Publicado originalmente a 18 de outubro de 2018)

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.