CDU congratula-se com fim da maioria absoluta do PSD

O secretário-geral comunista reclamou para a CDU algum do crédito pelo inédito fim da maioria absoluta do PSD na Madeira a culpou a bipolarização PS/PSD pela perda de um dos seus mandatos regionais.

Jerónimo de Sousa recusou uma leitura nacional dos resultados conhecidos naquela região autónoma, dizendo que são "duas situações diferenciadas" e que "o problema" de uma bipolarização não existe em relação às eleições legislativas de 06 de outubro nem "estão criadas as condições para criar a onda avassaladora que se verificou na Madeira".

"A perda pelo PSD da maioria absoluta é o elemento mais relevante dos resultados hoje conhecidos para a Assembleia Regional da Madeira. Ainda que PSD e CDS, com o sem a cumplicidade do PS, preparem o prosseguimento da política de direita, a perda do poder absoluto pelo PSD representa a vitória daqueles que, como a CDU, ao longo de décadas, ergueram a voz, deram combate, denunciaram injustiças, mobilizaram os trabalhadores e o povo", disse.

Na sede nacional do PCP, em Lisboa, Jerónimo de Sousa afirmou que "a redução do número de deputados da CDU é um fator que pesará negativamente na vida política da região e, em particular, na defesa dos interesses dos trabalhadores e do povo".

"Mais cedo que tarde, tal como sucedeu em 2011 - quando a CDU obteve resultado idêntico, com a redução de dois para um deputados -, serão os próprios trabalhadores e as populações a darem conta que é esta força que faz falta e a devolverem, como em 2015, o apoio que agora não nos deram", confiou.

Para Jerónimo de Sousa, "o resultado agora obtido pela CDU não é separável da operação que, ao longo de meses, foi dirigida para alimentar uma bipolarização artificial".

"Uma operação orientada para credibilizar como hipotética alternativa o PS, ignorando os elementos que, no essencial, fazem deste partido e do seu projeto para a Madeira uma mera fotocópia do PSD, suportada na divulgação de sondagens encomendadas para preencher a notória falta de crédito do PS, com o objetivo de amputar a livre expressão do voto de cada um", condenou.

O PSD venceu hoje as eleições legislativas regionais da Madeira, com 39,42% dos votos, mas perdeu, pela primeira vez, a maioria absoluta, elegendo 21 dos 47 deputados, quando estão apuradas todas as freguesias, segundo dados oficiais.

De acordo com informação disponibilizada pela Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna, o PS obteve 35,76% e elegeu 19 deputados.

O CDS-PP, com 5,76% dos votos e três deputados, foi a terceira força política mais votada, seguido pelo JPP, com 5,47% e também três parlamentares. A CDU conquista um lugar, perdendo um mandato face a 2015, ao alcançar escassos 1,80% dos votos.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.