Familiares no Governo. Cavaco diz "não há comparação possível" entre 2015 e agora

Cavaco empossou em 2015 os mesmos quatro familiares que estão hoje no executivo socialista. Mas antigo Presidente da República disse que governo a que deu posse não se compara este, em termos da presença de familiares.

"De facto, não me recordo de ter conhecimento completo - já foi há muitos anos - entre relações familiares dentro do Governo, mas, por aquilo que li, não há comparação possível em relação ao Governo a que dei posse em 2015. E, segundo li também na comunicação social, parece que não há comparação em nenhum outro país democrático desenvolvido", afirmou, quando questionado sobre a questão das relações familiares no Governo.

No entanto, não é assim: em 2015, Cavaco Silva deu posse aos mesmos governantes que têm relações familiares e que continuam atualmente no executivo e que se sentam desde o primeiro dia no Conselho de Ministros: os ministros Eduardo Cabrita e Ana Paula Vitorino, marido e mulher, e José Vieira da Silva e Mariana Vieira da Silva (pai e filha), ele como ministro e ela então como secretária de Estado adjunta do primeiro-ministro e hoje ministra da Presidência.

À saída de uma conferência que proferiu na Universidade da Beira Interior sobre "A singularidade da construção europeia e o futuro do euro", na Covilhã, Cavaco Silva começou por dizer que não queria tomar posição pública sobre a atualidade política, mas perante a insistência dos jornalistas sobre o caso das relações familiares no Governo acabou por responder, salientando o desconhecimento que tinha sobre a situação.

"Nos últimos dias aprendi bastante sobre as relações familiares entre membros do Governo e confesso que era bastante ignorante em relação a quase tudo aquilo que foi revelado, mas entendo que não devo fazer qualquer comentário porque já foi dito tudo ou quase tudo e eu não acrescentaria nada de novo", disse.

Cavaco Silva adiantou, depois, que "por curiosidade" foi verificar a composição dos três governos em que foi primeiro-ministro e não detetou lá nenhuma ligação familiar. Também aqui o ex-presidente se atrapalha na memória: Cavaco Silva teve nos seus governos os irmãos Leonor e Miguel Beleza (embora em momentos diferentes: a primeira saiu no dia em que entrou o segundo, em 5 de janeiro de 1990); e Durão Barroso, então secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros, viu o seu tio Diamantino Durão ocupar a pasta da Educação.

Confrontado com o facto de ter dado posse ao atual Governo, liderado por António Costa, o antigo chefe de Estado destacou que considera que a escolha dos membros do executivo compete ao primeiro-ministro. Além disso, acrescentou, a atual composição do Governo já não é a mesma.

Na quinta-feira, sobre a mesma questão, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse que se limitou a aceitar a designação feita por Cavaco Silva, "que foi a de nomear quatro membros do Governo com relações familiares, todos com assento no Conselho de Ministros".

Marcelo Rebelo de Sousa disse ainda que aceitou essa solução "partindo do princípio de que o seu antecessor, ao nomear aqueles governantes, tinha ponderado a qualidade das carreiras e o mérito para o exercício das funções".

"Depois disso, não nomeei nenhum outro membro com relações familiares para o exercício de funções no executivo e com assento no Conselho de Ministros", salientou Marcelo.

[notícia atualizada às 22.45 com dados referentes à tomada de posse dada por Cavaco Silva e às relações familiares dos seus executivos]

Exclusivos