Cavaco Silva: "As vozes que reclamavam a saída do euro têm vindo a esmorecer"

"O drama do brexit e a evidência das dificuldades e custos para os britânicos têm-lhes servido de exemplo", referiu o antigo Presidente da República, dando o exemplo, em Portugal, de PCP e Bloco de Esquerda

O ex-Presidente da República Cavaco Silva disse hoje que PCP e BE, entre outras forças políticas europeias, têm vindo a esmorecer nas exigências de saída do euro, devido ao exemplo do 'Brexit'.

"As vozes que reclamavam a saída do euro têm vindo a esmorecer - e que são exemplos a Frente Nacional em França, a Liga do Norte em Itália e em Portugal o Partido Comunista e o Bloco de Esquerda. O drama do 'Brexit' e a evidência das dificuldades e custos para os britânicos têm-lhes servido de exemplo", afirmou Cavaco Silva, numa intervenção na Academia Política Calvão da Silva, que hoje começou em Coimbra.

Cavaco Silva lembrou uma reflexão sua num Conselho de Estado em que participou sobre se Portugal perdia muito ou pouco com a saída do Reino Unido da União Europeia, concluindo que o país está "na média ou abaixo da média da União Europeia no seu conjunto em termos de custos do 'Brexit'".

"Países como a Irlanda, Dinamarca, Chipre e Malta e a Holanda, esses sim, perdem muito. Nós estamos, de facto, na média. E eu confio que os nossos empresários - que durante o programa de ajustamento demonstraram uma capacidade de conquistar novos mercados - tenham a mesma energia, a mesma vitalidade para enfrentar aquelas dificuldades que vão surgir, principalmente naquelas regiões [como o Norte do país] que têm, neste momento, um comércio com o Reino Unido mais intenso", argumentou.

Ainda sobre o 'Brexit', o antigo chefe de Estado e ex-primeiro-ministro manifestou-se "absolutamente convencido" de que a Europa irá reagir "sem grande dificuldade" à saída do Reino Unido do bloco comunitário, embora com "alguns custos".

"Agora, a geração mais nova da Grã-Bretanha, essa irá ser penalizada. Porque quem votou a favor da saída foi a geração mais velha, a geração abaixo dos 40 votou a favor da permanência. Mas aquela geração que vai morrer não daqui a muito tempo deixa uma herança muito pesada para os britânicos mais jovens", sublinhou Cavaco Silva.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.