Campanha. Partidos podem publicitar obra feita, câmaras e governo não

Outdoors com slogans como "promessa cumprida" ou mensagens que remetam para "obra feita" só poderão ser pagos pelos partidos. Autarquias e Estado central ficam impedidos de o fazer durante os períodos de campanhas eleitorais.

As câmaras municipais ou qualquer organismo do Estado, incluindo o governo, ficam impedidos a partir de agora de publicitar o trabalho feito, metas alcançadas ou ainda as promessas de futuro. A deliberação é da Comissão Nacional de Eleições (CNE), mas não impede os partidos de apostarem em meios de divulgação do que foi alcançado pelos seus eleitos.

Ou seja, uma câmara PS deixa de poder usar expressões como "mais transporte para todos", ou "mais infraestruturas", mas os socialistas locais podem fazê-lo. "O partido pode dizer como foi o trabalho dos seus eleitos, o que não pode haver é benefício da força no poder, com recursos públicos, para tirar vantagem sobre os concorrentes", sublinhou ao DN fonte da CNE.

A comissão vem agora deixar claro que tanto o Governo central como os governos regionais ​​​​​​​e municípios estão impedidos de anunciar obra feita ou por fazer, de forma a evitar que se usem recursos públicos para fazer campanha e, assim, favorecer algumas candidaturas em prejuízo de outras. "O fundamento da proibição consagrada neste artigo inscreve-se nos deveres de neutralidade e imparcialidade a que as entidades públicas se encontram sujeitas", refere a nota da comissão.

A deliberação da CNE abarca todo o tipo de comunicação, desde a revista municipal à fatura de água, passando pelos outdoors. Os próprios cartazes que foram colocados na rua antes do período pré-eleitoral terão de ser retirados.

Os organismos públicos ficam impedidos de usar mensagens que "refletem uma atitude proativa da instituição na promoção da qualidade de vida dos habitantes (como por ex. "Continuam a decorrer a bom ritmo as obras de instalação de redes de saneamento básico" ou "o futuro será certamente melhor, mais limpo e melhor para todos em matéria ambiental"). Ou ainda a linguagem adjetivada como "Continuam a decorrer a bom ritmo as obras de instalação de redes de saneamento básico".

"O fundamento da proibição consagrada neste artigo inscreve-se nos deveres de neutralidade e imparcialidade a que as entidades públicas se encontram sujeitas"

Mas também a associação de imagens positivas a uma adjetivação favorável como "feliz, trabalhadora, empreendedora, saudável, ativa" e também a valorização de recursos naturais como o mar ou o rio aliados ao logótipo e à menção da instituição, "induzindo a uma valoração favorável e a uma imagem positiva dos seus titulares".

A decisão da Comissão Nacional de Eleições foi tomada após vários acórdãos do Tribunal Constitucional, que mandou retirar, por exemplo, cartazes da câmara de Lisboa durante a última campanha das autárquicas. A proibição da CNE é já para aplicar nas eleições europeias de maio e seguir nas próximas eleições, como as legislativas de outubro.

Segundo a CNE as entidades devem abster-se de usar todo o tipo de materiais de publicitação até ao fim das eleições, independentemente de terem sido encomendados ou colocados antes da publicitação do decreto que marcou a data das eleições.

Apesar das regras restritivas, o Estado e administração pública podem divulgar todos os atos que ​​​​​​​tenham uma necessidade pública grave e urgente. É também permitido divulgar festas tradicionais, campanhas para a promoção da saúde e prevenção da doença.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.