Bloco pressiona Governo para dar bandeira portuguesa ao Aquarius

Bloquistas lançam desafio ao Governo: está "disponível para permitir que o Aquarius continue a sua missão de resgate e salvamento, através da concessão do registo da embarcação no nosso país?"

"O Estado Português pode e deve intervir nesta matéria, evitando a morte de inúmeras vidas através da concessão do pavilhão ao navio Aquarius", diz o Bloco, numa pergunta dirigida ao Ministério dos Negócios Estrangeiros. E isto "na defesa dos pilares essenciais dos direitos humanos e em nome de uma política internacional humanista e solidária".

Assinada pelo líder parlamentar do BE, Pedro Filipe Soares, a pergunta recorda, no seu preâmbulo, que "o navio de salvamento Aquarius 2, cujas operações têm permitido salvar milhares de pessoas da morte no Mar Mediterrâneo, viu o seu pavilhão ser retirado pela Autoridade Portuária do Panamá" e que "em pouco mais de um mês, é a segunda vez que o navio perde a bandeira por pressão do governo italiano". "Inicialmente registado em Gibraltar, no dia 14 de agosto foi-lhe retirado esse pavilhão, só conseguindo novo registo a 13 de setembro com a bandeira panamenha, o que não durou sequer dez dias."

Para o BE, "o objetivo do governo italiano é impedir que o Aquarius continue as operações de resgate". E "como fica claro na mensagem da Autoridade Marítima do Panamá, essas pressões são inequívocas: 'é necessário que o Aquarius seja excluído de nosso registo, porque significa um problema político para o Governo panamenho e para as embarcações panamenhas que chegam aos portos europeus'."

Navio tem 58 refugiados a bordo, a maior parte líbios em fuga dos confrontos em Tripoli

Ao ficar sem nenhum pavilhão, "as operações de resgate fiquem comprometidas, e que efetivamente o Aquarius não possa aportar para desembarcar as pessoas salvas". Trata-se, recorda, o BE, da "única embarcação de busca e resgate não-governamental ainda ativa no Mediterrâneo Central". E "para agravar toda esta situação, a notícia da retirada do pavilhão foi conferida enquanto as equipas do navio estão presentemente envolvidas em novas missões de busca e salvamento no mar Mediterrâneo". "O navio deu assistência a duas embarcações em dificuldades, pelo que se encontram 58 sobreviventes a bordo."

Marselha fecha porto

Ontem o Aquarius pediu às autoridades francesas para entrar no porto de Marselha. O anúncio foi feito numa conferência de imprensa em Paris pelo diretor de operações da SOS Méditerranée, Frédéric Penard, segundo o qual, após a decisão do Panamá de retirar o pavilhão ao navio, este é o único lugar que permite gerir a nova situação. "Não temos outra opção senão dirigir-nos para o único sítio onde o SOS pode trabalhar nestas condições totalmente críticas", sublinhou Penard.

As autoridades francesas recusaram o pedido. "De momento a resposta é não", disse Bruno Le Maire, ministro francês das Finanças. Segundo Le Maire, os navios nestas condições devem, segundo as regras europeias, aportar no porto mais próximo e Marselha não é o porto mais próximo [seria em Itália]. "As questões das migrações devem ser lidadas com clareza e firmeza e as regras europeias devem ser respeitadas."

A maior parte dos 58 refugiados a bordo serão cidadãos líbios que fogem aos violentos combates entre milícias que têm sido travados em Trípoli, no mais sangrento conflito desde o início da guerra civil em 2014, disse à agência EFE Aloys Vimard, porta-voz da ONG Médicos Sem Fronteiras, corresponsável do Aquarius.

O Aquarius já terá resgatado mais de 29 mil pessoas desde que começou a operar, em fevereiro de 2016

Os bloquistas recordam na pergunta ao MNE português uma frase sobre o Aquarius do ministro italiano do Interior, Matteo Salvini: "Podem mudar de nome e bandeira mil vezes, mas para aquelas pessoas os portos italianos permanecerão fechados."

Acrescentam que "só no ano de 2018, já morreram mais de 1 250 pessoas a tentar cruzar o Mediterrâneo Central", sendo que "a proibição das operações de resgate de navios como o Aquarius pode significar uma condenação à morte de milhares de pessoas". "Desde a sua primeira viagem em fevereiro de 2016, o Aquarius resgatou 29 523 pessoas, lembrando-nos que toda a vida merece ser salva. Possibilitou também que muitas das atrocidades e crimes cometidos sobre migrantes e refugiados ficassem registados, como quando as mulheres africanas relataram as violações cometidas na Líbia e os homens mostraram as cicatrizes dos golpes desferidos nas prisões", lê-se ainda na iniciativa do BE.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?