Bloco à frente do PSD em quatro freguesias de Lisboa

Das autárquicas, em 2017, para as europeias de domingo, o partido de Catarina Martins escalou posições em Lisboa e em quatro freguesias chegou mesmo a ficar à frente do PSD

Marvila, São Vicente, Santa Maria Maior e Penha de França. São estas as quatro freguesias de Lisboa onde o Bloco de Esquerda se tornou na segunda força política mais votada, à frente do PSD - e atrás do PS que se manteve como o partido mais votado em Lisboa com 29,40%, tal como aconteceu há dois anos, nas autárquicas (42%) e nas europeias de 2014 (29,22%).

Mas em Lisboa, o partido de Catarina Martins escalou posições. Nas europeias de 2014, o Bloco ficara em sexto lugar no concelho de Lisboa, com 5,32% - atrás do Movimento Partido da Terra e do Livre e também da CDU, que tinha tido 13,58% dos votos (perdeu 13 mil votos). Nas autárquicas de 2017, o BE tinha tido com 7,14% dos votos, passou a terceira força política da capital nas eleições europeias de domingo, com 10,69% - aumentando até o resultado nacional (9,82%).

Além de ter ficado à frente do PSD em quatro freguesias, o Bloco de Esquerda conseguiu o estatuto de terceiro partido mais votado noutras 10: Alcântara, Arroios, Misericórdia, Beato, Parque das Nações, Olivais, Santa Clara, Carnide, Campolide e Benfica.​​ O PSD, por seu lado, obteve apenas 17,70% no concelho de Lisboa - tinha conseguido 27,9%, na coligação com o CDS.

O eleitorado urbano é familiar ao Bloco, que, aliás, nasceu como um partido com esta configuração de agenda, no entanto, em 2017, com dois anos de governação da chamada "geringonça", nas eleições autárquicas, os bloquistas ficaram atrás do CDS (em coligação com MPT e o PPM), que levou a sua líder à candidatura. Dois anos depois, o partido reforçou a sua posição na capital instalando-se como terceira força política, logo atrás do PSD (17,70%).

Nas últimas europeias, a realidade era bem diferente com o PSD de Pedro Passos coligado com o CDS. A coligação dos dois partidos adotava o nome de Aliança Portugal na corrida aos lugares do Parlamento Europeu e os resultados eleitorais colocaram-na segunda posição em Lisboa, com 27,90 % dos votos, atrás dos socialistas (29,22%) e à frente da CDU, com 13,58%.

Os lugares do pódio na capital mudaram este domingo, com os bloquistas a garantirem o lugar do terceiro partido mais votada, à frente do CDS (9,46%) e da CDU (6,95%).

​​

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.