BE diz que política de "pequenos passos" no clima faliu e quer mudar economia

Catarina Martins disse hoje que "faliu por completo a política dos pequenos passos" individuais na luta contra a emergência climática, defendendo que "o problema só se resolve" com "políticas públicas fortes" na economia, energia e mobilidade.

"Faliu por completo a política dos pequenos passos, de ver quem recicla mais ou quem vai à mercearia. E também não vai lá com a versão da austeridade verde, porque o planeta não pode ficar à espera de que as empresas poluentes desenvolvam uma consciência -- o lucro é sempre mais voraz. O problema é mesmo o sistema de produção, é a nossa economia. O problema só se resolve com uma resposta que transforme a economia", sustentou a líder do BE, Catarina Martins num comício no Porto, assegurando que "é à esquerda" que está a solução para a crise climática.

A líder bloquista defendeu a urgência de "políticas públicas fortes que transformem a economia, a energia e a mobilidade", notando que "é isso que propõe o BE".

A coordenadora do BE afirmou ainda que "a disputa" nas eleições legislativas de 6 de outubro é, "naturalmente, feita entre o PS e a esquerda", pois "o programa da direita não serve" e o país já o deitou fora.

"Agora, o que conta é saber o que queremos construir. E essa disputa é, naturalmente, feita entre o Partido Socialista e a esquerda - sobre o projeto para o país", disse Catarina Martins no Porto, distrito pelo qual encabeça a lista às legislativas, num comício na Praça dos Poveiros.

Observando que "o programa da direita já não serve para o país", a líder bloquista notou que, "se os últimos quatro anos mudaram o país, com mais justiça, dignidade e respeito, foi porque o BE cumpriu o seu compromisso" com Portugal.

A referência à disputa eleitoral entre o PS e a esquerda surgiu quando Catarina Martins falava sobre a emergência climática e resolveu imaginar a "resposta da direita" às reivindicações dos estudantes.

"Passos Coelho [primeiro-ministro durante legislatura que antecedeu a da designada "geringonça" formada entre PS, BE, PCP e PEV] diria talvez aos estudantes para não serem piegas e saírem, quem sabe, do seu planeta de conforto. É por isso que sabemos em que campo se disputam estas eleições", alertou.

"A diferença que fizeram estes quatro anos. O programa da direita não serve. Já o deitámos fora. Agora, o que conta é saber o que queremos construir. E essa disputa é, naturalmente, feita entre o PS e a esquerda", acrescentou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG