BE diz que política de "pequenos passos" no clima faliu e quer mudar economia

Catarina Martins disse hoje que "faliu por completo a política dos pequenos passos" individuais na luta contra a emergência climática, defendendo que "o problema só se resolve" com "políticas públicas fortes" na economia, energia e mobilidade.

"Faliu por completo a política dos pequenos passos, de ver quem recicla mais ou quem vai à mercearia. E também não vai lá com a versão da austeridade verde, porque o planeta não pode ficar à espera de que as empresas poluentes desenvolvam uma consciência -- o lucro é sempre mais voraz. O problema é mesmo o sistema de produção, é a nossa economia. O problema só se resolve com uma resposta que transforme a economia", sustentou a líder do BE, Catarina Martins num comício no Porto, assegurando que "é à esquerda" que está a solução para a crise climática.

A líder bloquista defendeu a urgência de "políticas públicas fortes que transformem a economia, a energia e a mobilidade", notando que "é isso que propõe o BE".

A coordenadora do BE afirmou ainda que "a disputa" nas eleições legislativas de 6 de outubro é, "naturalmente, feita entre o PS e a esquerda", pois "o programa da direita não serve" e o país já o deitou fora.

"Agora, o que conta é saber o que queremos construir. E essa disputa é, naturalmente, feita entre o Partido Socialista e a esquerda - sobre o projeto para o país", disse Catarina Martins no Porto, distrito pelo qual encabeça a lista às legislativas, num comício na Praça dos Poveiros.

Observando que "o programa da direita já não serve para o país", a líder bloquista notou que, "se os últimos quatro anos mudaram o país, com mais justiça, dignidade e respeito, foi porque o BE cumpriu o seu compromisso" com Portugal.

A referência à disputa eleitoral entre o PS e a esquerda surgiu quando Catarina Martins falava sobre a emergência climática e resolveu imaginar a "resposta da direita" às reivindicações dos estudantes.

"Passos Coelho [primeiro-ministro durante legislatura que antecedeu a da designada "geringonça" formada entre PS, BE, PCP e PEV] diria talvez aos estudantes para não serem piegas e saírem, quem sabe, do seu planeta de conforto. É por isso que sabemos em que campo se disputam estas eleições", alertou.

"A diferença que fizeram estes quatro anos. O programa da direita não serve. Já o deitámos fora. Agora, o que conta é saber o que queremos construir. E essa disputa é, naturalmente, feita entre o PS e a esquerda", acrescentou.

Exclusivos

Premium

Rogério Casanova

Arquitectura fundida

Uma consequência inevitável da longevidade enquanto figura pública é a promoção automática a um escalão superior de figura pública: caso se aguentem algumas décadas em funções, deixam de ser tratadas como as outras figuras públicas e passam a ser tratadas como encarnações seculares de sábios religiosos - aqueles que costumavam ficar quinze anos seguidos sentados em posição de lótus a alimentar-se exclusivamente de bambu antes de explicarem o mundo em parábolas. A figura pública pode não desejar essa promoção, e pode até nem detectar a sua chegada. Os sinais acumulam-se lentamente. De um momento para o outro, frases suas começam a ser citadas em memes inspiradores no Facebook; há presidentes a espetar-lhes condecorações no peito, recebe convites mensais para debates em que se tenciona "pensar o país". E um dia, subitamente, a figura pública dá por si sentada à frente de uma câmera de televisão, enquanto Fátima Campos Ferreira lhe pergunta coisas como "Considera-se uma pessoa de emoções?" ou "Acredita em Deus?".

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Ler e/ou escrever

Há muitos anos, recebi um original de ficção de uma autora estreante que pedia uma opinião absolutamente sincera sobre a sua obra. Designar por "obra" o que ainda não devia passar de um rascunho fez-me logo pensar em ego inflamado. Por isso decidi que, se a resposta fosse negativa, não entraria em detalhes, sob o risco de o castelo de cartas cair com demasiado estrondo. Comecei pela sinopse; mas, além de só prometer banalidades, tinha uma repetição escusada, uma imagem de gosto duvidoso, um parêntese que abria e não fechava e até um erro ortográfico que, mesmo com boa vontade, não podia ser gralha. O romance propriamente dito não era melhor, e recusei-o invocando a estrutura confusa, o final previsível, inconsistências várias e um certo desconhecimento da gramática.

Premium

João Lopes

A última tentação cinéfila

O ator Willem Dafoe é um dos homenageados do Lisbon & Sintra Film Festival: entre os seus títulos mais emblemáticos inclui-se A Última Tentação de Cristo, de Martin Scorsese, filme gerado num contexto de produção de Hollywood que já não existe.O ator Willem Dafoe é um dos homenageados do Lisbon & Sintra Film Festival: entre os seus títulos mais emblemáticos inclui-se A Última Tentação de Cristo, de Martin Scorsese, filme gerado num contexto de produção de Hollywood que já não existe.