Assunção Cristas de cartaz em punho no Facebook

Líder do CDS-PP foi a um troço cortado do IP6, que liga a A8 a Peniche, exigir a António Costa que faça obras há muito prometidas nas estradas

"Estamos no IP6, que liga a A8 a Peniche. Estas faixas do lado direito estão cortadas há mais de um ano. Porquê? Porque temos fissuras, a estrada abriu, não pode ser usada e a obra está prometida há mais de um ano". À primeira vista seria mais um vídeo de protesto colocado por um popular do Facebook. Mas a "manifestante" que aparecia nas imagens deste, com um cartaz na mão, avisando que "Esta estrada está em perigo" e questionando: "Até quando, senhor primeiro-ministro?", era a líder do CDS-PP, Assunção Cristas.

A insólita chamada de atenção, explica a líder dos populares no próprio vídeo, serve para assinalar uma iniciativa promovida hoje pelo partido junto de vários "pontos críticos" nas estradas nacionais, para os quais o CDS exige intervenções urgentes.

"Este é um exemplo do estado das nossas infraestruturas e nós hoje, CDS, de Norte a Sul do país, estamos a sinalizar estes pontos críticos e a fazer uma pergunta clara: até quando, senhor primeiro-ministro? As obras são prometidas mas na verdade não acontecem. E há casos que ainda nem sequer estão identificados".

Cristas explicou ainda que o CDS também já seguiu as vias formais, nomeadamente colocando questões no parlamento para apurar o estado de diferentes infraestruturas do país, de forma a que não se possa depois "dizer que não se sabia", mas defendeu a necessidade de deixar as coisas "claras" para o país. "Este é o governo dos impostos máximos e do investimento mínimo, da carga fiscal máxima e dos serviços públicos mínimos, e a nós cabe-nos denunciar, pôr o dedo na ferida e mostrar que Portugal está por arames e isto tem de ser visto e resolvido.

Líder, deputados e delegados locais em 16 pontos diferentes do País

De acordo com um comunicado entretanto enviado ao DN pelo CDS, o partido estará "nas duas últimas semanas do ano" em vários pontos críticos, para denunciar que "Portugal está preso por arames.

Só neste sábado, Cristas e diversos "deputados, dirigentes nacionais e estruturas locais" estiveram em 16 "pontos negros" distintos. A saber:

Passagem da linha férrea em Silvalde
Estrada Nacional N386 Amareleja - Barrancos
Estrada Cação - Vimioso
Nacional 238 - Sertã
IP3 - Conjunta com Viseu
Estrada Nacional
Estrada Nacional 25 - Zona Sotavento - Tavira - Vila Real
Estradas Nacional Manteigas / Piornos
IP6 - Óbidos - Peniche
Segunda Circular Sentido Benfica A1
Estrada Perpendicular à N246 Elvas -São Vicente,
Amarante - EN 210
Encosta Portas do Sol - Queda de Pedra
IC1 - Alcácer e Grândola
Estrada Regional 314 Chaves - Murça
IP3 (Penacova)

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...