A primeira reunião associativa no Ministério e no Estado-Maior-General

Encontro da Associação Nacional de Sargentos destinou-se a apresentar os seus objetivos aos militares colocados no Restelo.

Após três décadas de luta, punições e algumas detenções, a Associação Nacional de Sargentos (ANS) criada em 1989 realizou esta segunda-feira a sua primeira reunião de trabalho no Ministério da Defesa e no Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA).

O encontro, no auditório do Ministério da Defesa, foi presidido pelo sargento-mor Lima Coelho (na reserva) e destinou-se a apresentar "objetivos e matérias prioritárias" para os militares dessa categoria, disse o líder da ANS ao DN.

A luta associativa dos militares em Portugal tem-se concretizado com forte oposição da generalidade das chefias militares e apesar de, há cerca de duas décadas, o então presidente da República e Comandante Supremo das Forças Armadas Jorge Sampaio as instar a dialogar com as estruturas socioprofissionais legalmente constituídas - e largamente aceites noutros países da NATO.

Este novo passo concretiza-se com o almirante Silva Ribeiro como chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas (CEMGFA) e que, no cargo anterior de comandante da Marinha, já tinha sido o primeiro chefe militar a reconhecer formalmente as associações de oficiais, sargentos e praças.

O polémico processo de avaliações dos militares encabeça atualmente as preocupações dos sargentos, face ao impacto negativo das regras vigentes e que permitem a um militar - afastado da especialidade mas com louvores dados por titulares de cargos políticos - ultrapassar aqueles que continuaram ao serviço e com elevados desempenhos.

Em causa o maior peso relativo que os louvores entre o conjunto de fatores que determinam a classificação final dos militares para efeitos de promoção e que já provocou forte instabilidade na Força Aérea, como noticiado.

Saúde Militar, longos tempos de progressão hierárquica e reconstituição das carreiras são outras das questões que mais preocupam os militares e especificamente os sargentos, cujo líder já admitiu avançar.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.