Cristas diz que objetivo é "fazer crescer" representação parlamentar do CDS-PP

A líder do CDS-PP, Assunção Cristas, assumiu hoje que o objetivo para as próximas eleições legislativas é "fazer crescer" a representação no parlamento. E afasta quaisquer cenários de crise no partido.

"O nosso objetivo é trabalhar para merecer a confiança de todos aqueles que se reveem num país diferente, com mais ambição, com mais arrojo, com mais capacidade de progredirmos, e é para isso que estamos a trabalhar. Eu acredito que há muitas pessoas que se reveem nestas propostas e nestas preocupações do CDS", disse Assunção Cristas aos jornalistas, no Palácio da Justiça, em Lisboa.

Depois da entrega da lista que encabeça pelo círculo eleitoral de Lisboa, a líder do CDS-PP foi questionada sobre a meta eleitoral do partido, tendo afirmado que o "objetivo é trabalhar para manter e para fazer crescer" a representação do CDS-PP na Assembleia da República, que na atual legislatura é de 18 deputados.

"Como sabem a estratégia do CDS foi traçada há muito tempo e não sofreu alterações, nós queremos fazer parte de uma maioria de centro direita para governar o nosso país e ou essa maioria saí das eleições legislativas de 6 de outubro ou então nós continuaremos a fazer parte de uma oposição sempre firme e sempre construtiva a mostrar que há outro caminho para Portugal para além das esquerdas", reiterou.

Questionada sobre se achava provável essa maioria de centro-direita tendo em conta as sondagens, Cristas defendeu que "antes das eleições tudo é possível" e é para isso que os centristas estão a trabalhar.

"Falo pelo CDS. O CDS não tem nenhuma crise".

Sobre as opiniões de especialistas que consideram que em Portugal há uma crise nos partidos da direita, a líder centrista foi perentória: "Falo pelo CDS. O CDS não tem nenhuma crise"."Está a trabalhar intensamente, há muito tempo para termos o melhor programa eleitoral. Vamos aliás apresentá-lo na quinta-feira", concretizou.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.