Primeira guitarra de Tony Carreira vai a leilão

Base de licitação é de 3000 euros e a totalidade da receita reverterá a favor das vítimas dos incêndios no concelho da Pampilhosa da Serra

A primeira guitarra de Tony Carreira, com a qual o cantor aparece na capa do disco Ai Destino, de 1995, vai a leilão e o dinheiro arrecadado irá beneficiar as vítimas dos incêndios de outubro. O cantor é natural do concelho da Pampilhosa da Serra, também afetada pelo fogo, e não ficou indiferente à situação.

O leilão da guitarra, cuja base de licitação no site de angariação de fundos eSolidar é de 3000 euros, é uma das formas com que Tony Carreira quer ajudar as vítimas dos incêndios, juntamente com um concerto solidário, a realizar na tarde de 23 de dezembro, na Pampilhosa da Serra.

Será nesse concerto que a guitarra, autografada pelo cantor, será entregue ao vencedor do leilão.

A totalidade da receita do leilão será depositada na conta criada pela Câmara Municipal da Pampilhosa da Serra para apoiar os que foram afetados pelos incêndios no concelho. Estima-se que tenham sido afetadas cerca de 50 povoações, 500 habitações e terão ardido cerca de 30 mil hectares de floresta.

O leilão começou esta quarta-feira e irá até 20 de dezembro.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.