Há um novo busto de Cristiano Ronaldo no Aeroporto da Madeira

A escultura é mais parecida com o jogador madeirense e substitui o busto anterior.

Há um novo busto de Cristiano Ronaldo no Aeroporto da Madeira. Depois das muitas críticas feitas ao antigo busto, que tinha poucas semelhanças com o jogador madeirense, um novo busto apareceu no seu local, segundo informou o Diário de Notícias da Madeira.

Segundo o jornal conseguiu apurar, o novo busto foi colocado ali na madrugada de quinta para sexta-feira e será de autoria de um artista espanhol. O DNMadeira contactou Duarte Ferreira, diretor do Aeroporto da Madeira, que disse não ter conhecimento desta substituição.

O Jornal da Madeira entrou em contacto com o autor do antigo busto de Cristiano Ronaldo, o escultor Emanuel Santos, que se disse "completamente estupefacto" com a alteração do busto, decisão sobre a qual não foi informado. "É uma novidade que me está a dar agora. Mas fiquei curioso e daqui a pouco passo lá para ver", comentou.

Recorde-se que o primeiro busto de Ronaldo foi inaugurado em março de 2017 e foi uma iniciativa do próprio autor, na altura com 40 anos. No entanto, logo foi alvo de chacota por toda a internet devido à expressão artificial do jogador. "É impossível agradar a gregos e troianos. Nem Jesus agradou a todos. Isso é questão de gosto, não é tão simples como parece", reagiu Emanuel Santos. "Já vi obras de grandes artistas que seguem esse parâmetro. O que interessa é o impacto que essa obra gerou."

Em março deste ano, o site Bleacher Report Football resolveu dar-lhe uma segunda oportunidade para tentar melhorar a primeira versão. O madeirense Emanuel Santos aceitou o desafio. No entanto, este novo busto não é da sua autoria.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.