Helena Coelho defende-se de acusações e vai avançar com processo

Acusada de falta de profissionalismo por uma revista e a agência que a representava, Helena Coelho defende-se, frisando que avisou de antemão sobre o seu atraso a uma sessão fotográfica e conta que vai agir judicialmente, por ter a sua dignidade "colocada em causa".

A apresentadora Helena Coelho enviou um comunicado a defender-se das acusações de mau profissionalismo que terão levado ao fim da sua relação com a agência L'Agence, que a representava, e ao cancelamento da publicação de uma sessão fotográfica que protagonizou para a edição de julho revista "Activa", em biquíni.

A manequim e rosto da RTP, que foi acusada de chegar três horas atrasada à sessão fotográfica, conta que, por razões pessoais, chegou apenas ao local com uma hora de atraso e que avisou, de antemão, uma representante da agência para esse facto, que não terá, depois, "avisado a tempo a equipa" da revista "Activa", divulgando aos media um "print screen" do e-mail enviado e frisando que vai avançar judicialmente com um processo.

Sobre as acusações de falta de profissionalismo, por parte da agência e da revista, e das notícias que saíram na imprensa a dar conta que Sofia Carvalho, diretora da "Ativa" teria vetado as imagens da apresentadora por estar "gorda", - algo que a publicação nega - Helena Coelho frisa que trabalhou "nove horas seguidas sem paragens. [...] Durante a sessão, nunca foi mencionado qualquer reparo à minha forma física ou feita outra nota a qualquer outro motivo suscetível de se constituir como impedimento de trabalho", lê-se no comunicado.

Numa nota, a revista já referiu que "o resultado da referida produção não cumpriu os critérios de profissionalismo e qualidade" e que o atraso da apresentadora "comprometeu todo o trabalho da equipa envolvida e consequentemente o produto final". "Nunca a condição física foi posta em causa em todo este processo, sendo por isso absolutamente falso que se tenham utilizado as expressões que vieram a público", explicou.

Helena Coelho conta que ficou a saber, pelo telefone, que a editora da "Activa" achou que estava em "baixo de forma", pelo que não poderia utilizar as imagens da sessão fotográfica e que teria que cobrar 1500 euros à L'Agence, preço esse "que teria de ser pago por mim", adianta. A manequim olha para este caso como "triste" e "caricato", "colocando em causa não só a minha dignidade como a de todas as mulheres", remata.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG