"Enfiei a cabeça na areia". Princípe Harry não falou sobre a mãe durante quase 20 anos

Príncipe Harry revela que recebeu ajuda psicológica para lidar com a morte da mãe após vários anos a reprimir sentimentos

O príncipe Harry revelou numa entrevista que teve de procurar aconselhamento psicológico para lidar com a morte da mãe, após enfrentar dois anos de "caos total". O príncipe confessou que durante quase 20 anos "reprimiu todas as emoções" e recusou-se a falar sobre Diana, colocando-se à "beira de um esgotamento em diversas ocasiões".

"Posso dizer com certeza de que perder a minha mãe aos 12 anos e depois reprimir todas as minhas emoções durante os últimos 20 anos teve sérias consequências não só na minha vida pessoal mas também no meu trabalho", disse o príncipe na entrevista ao Telegraph.

Harry contou que apenas começou a lidar com o luto aos 28 anos. Até então, o príncipe recusava-se a pensar na mãe, a célebre "Princesa do Povo", e por vezes sentia-se ansioso durante eventos da realeza e "prestes a dar um murro a alguém".

"A minha maneira de lidar com a situação foi enfiar a cabeça na areia e recusar-me a pensar nela. Porque haveria isso de ajudar? Achava que só me deixaria mais triste e que não a iria trazer de volta", explicou o príncipe.

"Eu era o típico homem de 20, 25, 28 anos a andar e dizer 'a vida é ótima' e a 'a vida é boa' e era isso", contou o príncipe, "depois comecei a ter algumas conversas e de repente toda a dor que nunca processei começou a vir à superfície e percebi que realmente tinha de lidar com muita coisa", continuou.

"Durante grande parte dos meus vinte anos, pensei que era um problema e não sabia como lidar com isso", confessou.

Agora com 32 anos, Harry revela que já recebeu acompanhamento psicológico algumas vezes. Ao logo dos anos, Harry sempre contou com o apoio do irmão, o príncipe William, que lhe disse: "Tens de lidar com isto. Não é normal achares que nada te afetou". "O meu irmão, que Deus o abençoe, foi um grande apoio para mim", contou Harry.

O príncipe disse que começou a praticar boxe, o que também o ajudou a libertar a agressividade. "Isso realmente salvou-me, porque estava à beira de dar um murro a alguém, então poder esmurrar alguém que tinha proteções era certamente mais fácil".

Ao dar esta entrevista, o príncipe quis encorajar outros a procurarem ajuda e a falarem sobre os seus problemas. "A experiência que tive é de que quando começas a falar sobre isso percebes que fazes parte de um grande clube", disse o príncipe.

Em 2017, assinala-se o 20º aniversário da morte da princesa Diana e os filhos, Harry e William, vão inaugurar uma estátua em honra da "princesa do povo" e atribuir, em nome dela, prémios que homenageiem a "bondade, compaixão e serviço" aos outros.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG