Urban Beach. Os três jovens esfaqueados na cara já tiveram alta

Os três jovens foram atacados na via pública, depois de terem saído da discoteca. A PSP está à procura dos suspeitos do crime, dois jovens de 17 e 19 anos

Já tiveram alta, do hospital de S. Francisco de Xavier, os três jovens que foram esfaqueados na cara, na madrugada de sábado, perto da discoteca Urban Beach, em Lisboa. "Os ferimentos são graves, com golpes profundos no rosto, mas foram suturados e não houve necessidade de internamento", avançou ao DN fonte policial que está a acompanhar o caso".

Os dois suspeitos do ataque, também jovens, com 17 e 19 anos, ainda não foram capturados pela PSP que está a investigar o caso. Esta polícia foi alertada pelas 6.30 horas da madrugada de sábado, tendo chegado rapidamente ao local, mas já só encontrou as vítimas feridas.

Os cinco jovens teriam estado no Urban Beach e a PSP já pediu as imagens de videovigilância para analisar, identificar os suspeitos e tentar perceber o que pode ter acontecido dentro da discoteca para terminar daquela forma tão violenta.

A segurança na noite de Lisboa esteve em foco no final de 2017, depois de o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, ter mandado encerrar o Urban Beach, na sequência de violência entre seguranças privados e clientes.

Em maio de 2018 foi apresentado pelo ministro da Administração Interna, com a presença do presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, um plano "Noite + Segura", com várias propostas de medidas para prevenir e reprimir a violência na noite, principalmente a relacionada com discotecas e bares. O DN pediu ontem, sábado, ao gabinete de Eduardo Cabrita um ponto de situação sobre a execução deste plano, mas ainda não obteve resposta.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.