15 mortos nas estradas no período do Natal, o dobro do ano passado

Último dia da operação "Natal Tranquilo" registou um morto e três feridos graves

Uma pessoa morreu e três ficaram gravemente feridas nos 176 acidentes registados pela GNR no último dia da operação "Natal Tranquilo", segundo dados da corporação. De acordo com os dados registados entre as 00.00 e as 24.00 de quarta-feira, o último dia da operação "Natal Tranquilo", houve ainda 44 feridos ligeiros nos acidentes ocorridos nas estradas sob jurisdição da GNR. No total, morreram 15 pessoas nas estradas nacionais durante o período do Natal, mais do dobro do ano passado, quando morreram sete pessoas no mesmo período.

O distrito com mais acidentes registados no último dia da operação "Natal Tranquilo", entre as 21.00 da passada sexta-feira e as 24.00 de quarta-feira, foi o Porto (29), seguido de Lisboa (24), Faro e Aveiro (16), Braga (13), Viseu (11) e Coimbra e Leiria (11).A vítima mortal foi registada num acidente ocorrido no distrito de Faro e os três feridos graves em desastres em Lisboa, Viseu e Beja.

Durante a operação "Natal Tranquilo" a GNR reforçou o patrulhamento e a fiscalização nas vias com maior tráfego nesta altura do ano no país. A operação contou com a participação de mais de 1.400 militares da Unidade Nacional de Trânsito e dos Comandos Territoriais. O objetivo foi, segundo a GNR, prevenir a sinistralidade rodoviária, garantir a fluidez do tráfego e apoiar todos os utentes das vias, no sentido de lhes proporcionar uma deslocação em segurança.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.