Três homens detidos em rixa que envolveu militar da GNR em Fafe

Suspeitos estão ligados à segurança privada e travaram discussão com homem que estava com o guarda numa pastelaria. Na rua foram feitos três disparos mas ninguém ficou ferido

Três homens, ligados à segurança privada de estabelecimentos de diversão noturna, foram detidos em Fafe por terem disparado pelo menos três tiros durante uma rixa que envolveu um militar da GNR e um amigo numa rua da cidade minhota. O trio envolveu-se numa discussão com o guarda e o amigo, este também com ligações no passado à segurança privada, no interior de uma pastelaria. Foi já no exterior que ocorreram agressões e disparos. Os três suspeitos foram detidos.

O incidente ocorreu na quarta-feira ao fim da tarde no centro de Fafe, a cerca de 200 metros do quartel da GNR. O militar da GNR foi quem alertou os colegas do posto e quem identificou os autores. Um dos homens tinha uma arma de fogo e fez, pelo menos, três disparos em plena Rua Luís de Camões, uma movimentada artéria da cidade.

"Houve uma troca de palavras que se tornou mais agressiva. Um dos indivíduos efetuou disparos com arma de fogo e foi identificado pelo militar da GNR que estava no local. Foi ele quem depois indicou os suspeitos que já se preparavam para deixar o local", explicou ao DN fonte do Comando Territorial da GNR de Braga.

"Ninguém ficou ferido", assegurou a mesma fonte. Chegaram a ser mobilizados para o local meios do INEM, já que um dos envolvidos sentiu-se mal, mas não houve necessidade de assistência hospitalar. Os detidos foram entregues depois à PJ de Braga, por o incidente envolver uma arma de fogo, e passaram a noite nas celas da GNR. Na manhã desta quinta-feira foram presentes a tribunal mas as medidas de coação só devem ser conhecidas durante a tarde. A arma de fogo foi apreendida.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.