Três estudantes detidos por violação coletiva de uma menor na Amadora

Os suspeitos são estrangeiros, com 19 e 20 anos, e ficaram em prisão preventiva. Rapariga de 15 anos foi atraída a encontro após contactos em redes sociais e foi violada pelos três

Três estudantes com idades entre os 19 e os 20 anos foram detidos por suspeitas de violação agravada de uma menor de 15 anos na Amadora, em outubro de 2017. Os suspeitos são de nacionalidade estrangeira e ficaram em prisão preventiva por haver perigo de fuga.

Os três arguidos estão "fortemente indiciado pela prática de três crimes de violação agravada". Segundo os fortes indícios recolhidos pelo MP, os suspeitos, "de nacionalidade estrangeira, com idades compreendidas entre os 19 e 20 anos, estudantes, são suspeitos de em outubro de 2017, terem violado uma menor de 15 anos, na Amadora, com quem um deles tinha combinado um encontro, após ter travado conhecimento com a mesma através das redes sociais".

A detenção ocorreu na sequência de emissão de mandados de detenção fora de flagrante delito pelo Ministério Público, anuncia a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL). Foram presentes a um juiz para primeiro interrogatório judicial, na terça-feira.

Os arguidos ficaram em prisão preventiva por se "julgarem verificados, em concreto, os perigos de fuga, de continuação da atividade criminosa, de perturbação da ordem e da tranquilidade públicas e de perturbação do decurso do inquérito", indica a PGDL.

As investigações prosseguem sob a direção do DIAP de Lisboa com a coadjuvação da Polícia Judiciária.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.