Taxistas de outras cidades começaram a juntar-se ao protesto em Lisboa

Os taxistas estão há cinco dias estacionados ao longo da avenida da Liberdade, tendo transformado a zona numa extensão da casa.

Taxistas de Aveiro, Leiria, Coimbra e Águeda juntaram-se hoje de manhã aos colegas de Lisboa, na Praça dos Restauradores, onde foram recebidos com aplausos e palavras de ordem, no protesto contra a lei das plataformas de transporte.

Pelas 11:30, mais de uma dezena de táxis oriundos principalmente daquelas cidades, mas também de Ovar e Marinha Grande, desceram a Avenida da Liberdade, escoltados pela polícia, em direção à Praça dos Restauradores, onde os colegas de Lisboa, paralisados naquela zona da cidade há cinco dias, os receberam em festa.

"Costa, urgente, ouve o presidente", "nem um passo atrás", "somos táxi" e "a união que nos faz lutar é a união que nos faz vencer" foram as palavras de ordem que se fizeram ouvir à chegada dos taxistas vindos de outras cidades.

Dezenas de taxistas reunidos na praça central aplaudiram a chegada dos colegas, que acenavam pela janela, enquanto aqueles que se mantinham junto aos seus carros ao longo da avenida buzinavam à sua passagem.

Estes foram os primeiros de muitos outros taxistas de várias zonas do país que se deverão juntar ao protesto em Lisboa, disse à Lusa, no local, Florêncio Almeida, dirigente da Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros de Passageiros (ANTRAL).

Segundo o responsável, por volta das 14:00 são esperados cerca de 40 táxis vindos da zona de Oeiras e na segunda-feira está previsto que mais de 60 da margem sul se juntem ao protesto na capital.

Florêncio Almeida considera que, ao quinto dia consecutivo de protesto, a mobilização que está a paralisar táxis em Lisboa, Porto e Faro mostra a força destes profissionais e a sua determinação em não recuar até terem uma proposta concreta que inviabilize a entrada em vigor (prevista para 01 de novembro) da lei que regula as plataformas eletrónicas de transporte de passageiros.

"O primeiro-ministro tem de nos arranjar um interlocutor que nos ofereça alguma coisa, porque o ministro [do Ambiente, que tutela os transportes] em vez de nos acalmar, só tem vindo a incendiar mais os ânimos", disse.

Florêncio Almeida explica esta sua afirmação com as declarações do ministro no parlamento, segundo as quais "já foram resolvidos vários problemas do setor".

"Não resolveu um único assunto", afirmou, acusando-os o governante de "má fé" e de se ter "vendido às plataformas".

Ao longo da avenida da Liberdade, os taxistas que estão há cinco dias de pedra e cal junto aos táxis têm, aos poucos, transformado a zona numa extensão da casa.

Hoje, um pouco por todo o lado, era possível ver familiares de taxistas que se lhes juntaram, mesas abertas à sombra de árvores, onde alguns conversavam, outros comiam e outros, ainda, jogavam às cartas.

Muitos táxis mantinham-se com a porta da bagageira aberta, a funcionar como toldo e até colchões foram levados para o local: na Praça dos Restauradores, à sombra da estátua, dois colchões estendidos serviam de sofá para alguns taxistas se sentarem, encostarem e até dormirem.

As associações de taxistas foram recebidas no sábado pelo chefe da Casa Civil da Presidência da República, e decidiram manter o protesto, até serem recebidos pelo primeiro-ministro.

Depois do encontro, a delegação de representantes dos taxistas, encabeçada pelos presidentes da ANTRAL, Florêncio de Almeida, e da Federação Nacional do Táxi, Carlos Ramos, entregou uma carta no gabinete do primeiro-ministro no Terreiro do Paço, em Lisboa, a pedir uma intervenção com urgência para resolver as suas reivindicações.

Para segunda-feira, às 15:00, está marcada uma vigília junto à residência oficial do primeiro-ministro, provisoriamente deslocada para a Praça do Comércio, enquanto decorrem obras em São Bento.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.