Sindicato de enfermeiros anuncia greve geral "prolongada e muito dura" em abril

A decisão do Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (Sindepor) surge depois da reunião com o governo que marcou o início das negociações

O Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (Sindepor) anunciou esta quinta-feira a realização em abril de uma "greve geral, prolongada e muito dura", depois de uma reunião com o governo que marca o início de um período de negociações.

O presidente do Sindepor, Carlos Ramalho, disse no final da reunião que a greve é para que "de uma vez por todas se entenda que os enfermeiros querem negociar, mas querem negociações sérias", acrescentando que será em abril, mas sem anunciar a data.

Carlos Ramalho disse à Lusa que a data da greve será anunciada na sexta-feira, quando está marcada uma marcha em Lisboa em homenagem aos enfermeiros.

Após a reunião com o governo, Carlos Ramalho disse aos jornalistas que esta nova greve "não se vai resumir aos blocos operatórios". "Vai ser para todos os serviços do país".

Esta quinta-feira o governo reuniu-se com a Federação dos Sindicatos de Enfermeiros (Fense) e com o Sindepor, um dos dois sindicatos que estiveram na origem de greves às cirurgias que levou a uma posterior requisição civil.

No final da reunião, de menos de 30 minutos, Carlos Ramalho disse aos jornalistas que o encontro serviu para assinar o protocolo negocial e que o sindicato disse ao Governo que espera reuniões frutíferas. "Dissemos ao governo que estamos aqui para negociar, como sempre estivemos", o que "não tem acontecido" da parte do Governo, afirmou.

"Vai continuar a haver espaço para a negociação"

A greve, disse, vai ser para todos os serviços. Mas, adiantou, "vai continuar a haver espaço para a negociação" e "as greves anunciam-se e desconvocam-se se for necessário".

"O que queremos é ter a garantia de que as negociações desta vez vão ser sérias", disse, adiantando que as reuniões vão acontecer de 15 em 15 dias às quartas-feiras, mas que a próxima se realiza excecionalmente no dia 21 (quinta-feira).

Carlos Ramalho insistiu que os enfermeiros não têm sido respeitados pelo governo e que está em discussão pública um diploma de carreira que não foi fruto de negociação, sendo antes uma imposição.

E disse que o Sindepor está disponível para negociar todas as questões, durante o tempo que for necessário, referindo como questões fundamentais o descongelamento de progressões, atribuição de subsídio ao enfermeiro especialista e a grelha salarial.

Amanhã, sexta-feira, é a vez da Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros (ASPE) reunir-se com o governo.

Em janeiro e fevereiro enfermeiros fizeram uma greve às cirurgias em blocos operatórios de hospitais públicos, tendo obrigado ao adiamento de milhares de operações. O governo decretou a 7 de fevereiro uma requisição civil e pediu um parecer à Procuradoria-Geral da República, que considerou a greve ilegal. A Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros suspendeu-a, mas o Sindepor manteve-a, tendo o seu presidente estado em greve de fome durante dois dias.

A greve, a segunda no mesmo modelo e financiada por uma recolha de fundos numa plataforma 'online', arrancou depois de os dois sindicatos de enfermeiros terem terminado as reuniões negociais com o Governo sem consenso, sobretudo na questão do descongelamento das progressões da carreira, no aumento do salário base e respetivas progressões e na antecipação da idade da reforma.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG