Sabia que os portugueses são o povo que mais convive com os amigos? E o mais desconfiado?

O Portal da Opinião Pública (POP) tem um novo serviço disponível online. Chama-se Sabias Que e reúne dados recentes de inquéritos europeus.

Se por um lado os portugueses são o povo da Europa que mais convive com amigos, familiares e colegas de trabalho, por outro, são também o povo europeu que menos confia nas pessoas, juntamente com os polacos. Dados do Inquérito Social Europeu, disponíveis no POP - Portal da Opinião Pública, da Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS).

No website, que resulta de uma parceria com o Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, é possível encontrar dados de vários inquéritos europeus, nomeadamente do Eurobarómetro e do Inquérito Social Europeu, estes últimos atualizados a cada dois anos.

Agora, a FFMS elaborou 25 "sabia que" com alguns dos dados que considerou mais interessantes sobre a opinião pública em Portugal e na Europa, recolhidos no âmbito de ambos os inquéritos.

"Sabia que, de entre os 18 países europeus para os quais há dados recentes do Inquérito Social Europeu, Portugal é o segundo país no qual os cidadãos se declaram menos satisfeitos com a vida, juntamente com a Hungria? Só a Lituânia apresenta um nível médio de satisfação mais baixo", lê-se no comunicado da fundação. Do lado oposto, finlandeses, holandeses, suecos e noruegueses são os que apresentam maiores índices de satisfação com a vida.

Embora pouco satisfeitos, os dados mostram que, desde 2002, os portugueses nunca foram tão felizes como agora.

Já no que diz respeito à perceção do estado de saúde, "Portugal é o país da Europa onde as pessoas se sentem menos saudáveis".

Abertura à imigração

"Sabia que a abertura dos portugueses à imigração tem crescido significativamente desde 2012?" De acordo com a FFMS, neste momento "a abertura do país a imigrantes do mesmo grupo étnico da maioria dos portugueses atinge valores semelhantes aos da Finlândia e da França". No entanto, ainda está longe dos valores apresentados por países como a Alemanha, a Suécia e a Dinamarca.

Paralelamente, registou-se uma diminuição da tolerância em países como a Polónia, a Hungria e a Itália. "Esta tendência mantém-se no que respeita à abertura a imigrantes de etnias diferentes da maioria da população, bem como no que respeita à abertura a imigrantes provenientes de países mais pobres."

E "sabia que os portugueses são o terceiro povo mais religioso da Europa, juntamente com a Lituânia?" Em conjunto com os irlandeses, estão também no topo da lista dos que rezam com mais frequência.

A frequência com que assinam petições, a satisfação com a democracia, a confiança na Justiça e no Parlamento e a visão que têm da União Europeia são alguns dos dados que também se podem encontrar no POP.

Publicados no mês de junho, os dados do Inquérito Social Europeu para Portugal foram recolhidos entre outubro de 2016 e junho de 2017, enquanto os dados do Eurobarómetro, mais frequentes, foram recolhidos em março deste ano.

Ao entrar no site, o utilizador pode escolher um dos temas sobre os quais quer pesquisar (família ou religião, por exemplo) e os indicadores que mais lhe interessam. Os resultados são apresentados sob a forma de gráficos.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...