Queima: FAP vai punir vídeos com comportamentos "indignos"

Responsáveis pelas barraquinhas do Queimódromo partilharam imagens de jovens embriagados e seminus

Os vídeos que andam a circular nas redes sociais com imagens de estudantes alcoolizados durante as festas associadas à Queima das fitas do Porto, levou a Federação Académica do Porto (FAP) a emitir um comunicado onde condena essas filmagens e onde informa que vai punir as barraquinhas do Queimódromo que divulgarem os vídeos.

Na quarta-feira, uma jovem de cerca de 20 anos foi encontrada embriagada e seminua numa zona de vegetação, lateral ao Queimódromo, junto à Circunvalação, no Porto.

O estado da jovem levantou suspeitas de que poderia ter sido alvo de uma agressão sexual, mas nem as declarações prestadas pela estudante à Policia Judiciária nem as perícias realizadas no Hospital de Pedro Hispano, em Matosinhos, para onde foi encaminhada, apontam para qualquer crime, disseram as autoridades.

No dia seguinte, as imagens de vários jovens, alguns seminus, a beberem nas barraquinhas do recinto, levaram a que a FAP enviasse uma nota interna aos responsáveis "onde se pede que as imagens sejam apagadas e que os estudantes se abstenham deste tipo de comportamento".

"A Federação Académica do Porto é completamente contra qualquer tipo de violência sexual, violência de género e violência física", lê-se ainda na nota, que dá conta da parceria da FAP com o Ponto Lilás - uma estrutura dentro do recinto do Queimódromo onde estão membros de várias organizações com o objetivo de "prevenir situações de violência sexual".

"Depois de observar a captação de imagens de comportamentos indevidos (na sua grande maioria até mesmo indignos)", a FAP decidiu ainda "proibir que tais situações continuem a acontecer" e decidiu que "todas as barraquinhas que o fizerem serão devidamente sancionadas".

Em causa está o não de cumprimento do regulamento que impede a partilha de imagens/escrita sexista, e/ou que promova o discurso de ódio ou incentivo a qualquer tipo de violência.