Qual foi o acordo assinado entre Fectrans e Antram?

Patronato fala em "acordo histórico", mas sindicato alega que é o "acordo possível". Aumentos mínimos de 266 euros por mês para motoristas de matérias perigosas e apenas duas horas extraordinárias por dia são alguns exemplos do que foi alcançado.

A Antram e a Fectrans, sindicato que não aderiu à greve dos motoristas, assinaram na quarta-feira à noite um acordo relativo ao contrato coletivo de trabalho numa reunião no Ministério das Infraestruturas e da Habitação, em Lisboa. "Construímos um memorando de entendimento relativamente a varias questões importantes para todos os trabalhadores do setor", afirmou o dirigente sindical José Manuel Oliveira. Salários aumentam pelo menos 266 euros para os motoristas de matérias perigosas.

O coordenador nacional da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), afeta à CGTP, esclareceu, esta tarde, em conferência de imprensa, alguns pontos do acordo assinado.

"Um trabalhador motorista de pesados que, por exemplo, transporte combustíveis e trabalhe com camiões cisterna, tem, por este acordo, pelo protocolo de 17 de maio e consolidado neste memorando, 266 euros de aumento por mês no mínimo. A acrescer a esta rubrica está o prémio de 125 euros de subsidio de operações. Isto, claro, no caso de um trabalhador sem diuturnidades", explicou.

Depois, há um conjunto de categorias profissionais, não referidas no protocolo de 17 de maio, que "vão ter aumentos de salários entre 4% e 6%, e é nesse contexto que estão as matérias salariais neste momento". O trabalho noturno passa também a ser pago à parte.

O responsável da Fectrans sublinhou que este "memorando de entendimento" melhora e valoriza questões como as diuturnidades e as ajudas de custo, altera o conceito da cláusula 61 e muda conceitos de atribuição de regras de ajudas de custo diárias no transporte ibérico e internacional.

No caso da cláusula 61 [que se refere a isenção de horário] frisou que esta "não pode ser lida sem uma outra cláusula que define os limites dos tempos de trabalho extraordinário", acrescentou ainda o coordenador da FECTRANS, referindo que "nenhum trabalhador que em situações excecionais tenha de fazer trabalho extraordinário pode fazer mais de duas horas por dia".

Já a Antram fez outras contas e apontou que a partir de 2021, se houver um aumento do salário mínimo nacional de 100 euros nos próximos três anos, os aumentos para os motoristas subirão "pelo menos" 350 euros.

Negociações serão retomadas em setembro

José Manuel Oliveira disse também que será realizada uma "discussão interna" no âmbito da federação, com dirigentes e associados, para retomar as negociações na primeira semana de setembro e "concluir a revisão global do contrato coletivo de trabalho", para que este possa ser publicado este ano e entre em vigor a partir de janeiro de 2020.

Está ainda previsto que até final deste mês seja publicada a portaria, que está prevista no protocolo, da proibição de circulação dos camiões-cisterna aos domingos e feriados.

Explicando a razão por que a Fectrans e a Antram foram apresentar ao ministro o acordo a que chegaram, José Manuel Oliveira explicou que se deve a matérias em que "o ministério tem de intervir, nomeadamente as questões da fiscalização, das cargas e descargas e o acompanhamento que o Governo deve fazer daquilo que são os problemas no setor e intervir para resolver alguns problemas que existem, porque não tem havido fiscalização", como é o caso do incumprimento do contrato coletivo de trabalho.

Nesse sentido ficou já marcada reunião com o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, no dia 30, designadamente para discutir o papel da Autoridade para as Condições do Trabalho e da Segurança Social.

Questionado sobre se considera este um "acordo histórico", como o designou a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram), José Manuel Oliveira respondeu que para a Fectrans é o acordo possível.

"É a vitória da teimosia de quem entendeu que a luta se deve desenvolver na mesa de negociação, portanto é nesse contexto que fazemos a avaliação deste acordo, sabendo sempre que não era aquilo que gostaríamos de atingir", frisou.

O vice-presidente da Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) Pedro Polónio disse que "foi possível hoje concretizar, de uma forma um pouco mais fina, aquilo que tinham sido as grandes questões que ficaram acordadas em maio".

Aumentos salariais são de 140 euros para motoristas indiferenciados

A Antram diz que o acordo foi conseguido na sequência de "uma dura negociação" e permite um aumento mínimo de 140 euros para motoristas de mercadorias gerais e de 266 euros para quem transporta matérias perigosas.

A estes valores "acrescerão os impostos que as empresas terão de suportar", sendo que, "no total, este aumento comporta um custo total de mais de 300 euros por mês por cada trabalhador", refere a Antram em comunicado hoje divulgado.

"O custo que as empresas suportarão por trabalhador por ano aumenta em mais de 4.000 euros através deste novo acordo", acrescenta a associação.

Considerando que 2020 será "um ano histórico" e que este foi "um dos mais bem conseguidos acordos de que há memória", a Antram adianta esperar que haja uma "alteração muito elevada no que respeita a tempos de espera/cargas e descargas destes trabalhadores".

O porta-voz do Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) reagiu, entretanto, ao anúncio do acordo, considerando que foi feito à revelia dos motoristas. Para o porta-voz do SNMMP, "a Fectrans deveria representar a vontade dos sócios e não foi aquilo que aconteceu".

"Fez aquilo que os dirigentes assim o entenderam e, ainda por cima, patrocinado, com pompa e circunstância, pelo ministério, que saiu para anunciar o acordo histórico", declarou.

Greve não está relacionada com este memorando, diz ANTRAM

"Hoje, estamos próximos da redação final daquilo que vai ser a revisão da convenção coletiva que vai entrar em vigor a partir de janeiro", acrescentou da Pedro Polónio, no final da reunião.

Considerando o acordo "algo muito relevante" para um setor que está "a viver dias difíceis", Pedro Polónio frisou que com esta decisão o patronato quer "passar uma mensagem de confiança aos trabalhadores, aos empresários".

"Não fomos além daquilo que é a sobrevivência das empresas, mas não podemos deixar de deixar esta nota de que vai ser com muito sacrifício", destacou.

Sobre se este acordo esvazia os fundamentos da greve iniciada na segunda-feira e por tempo indeterminado pelos motoristas, Pedro Polónio esclareceu que os motivos da paralisação não têm a ver com este acordo, que é um acordo de trabalho, de especificação de um acordo geral alcançado em maio, e em cima do qual vai ser feito ainda um trabalho de "redação fina das cláusulas".

"Os motivos da greve não se prendem verdadeiramente com o incumprimento do protocolo de 17 de maio", disse, acrescentando: "As razões das greves são diferentes, vão para lá do que está estipulado no protocolo, são questões em que nos estão a ser exigidas coisas que nós não protocolámos em maio e sobre as quais nós não temos capacidade".

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.