Temperaturas vão chegar aos 40ºC nos próximos dias. Proteção Civil lança alerta

Nas próximas horas está previsto um aumento gradual da temperatura máxima. O Alentejo pode chegar aos 40ºC na quarta-feira e hoje há quase três dezenas de concelhos com risco máximo de incêndio.

A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) prevê elevado risco de incêndios nestas terça e quarta-feiras, face à previsão de agravamento das condições meteorológicas, com diminuição da humidade relativa e aumento da intensidade do vento e da temperatura.

O dia de hoje, terça-feira, deverá ser "o mais crítico" em termos de intensidade do vento (durante o dia e noite), em particular o distrito de Faro (principalmente o barlavento algarvio) e as regiões centro e sul, podendo ocorrer rajadas até 75 km/h nos distritos de Lisboa e de Leiria..

Os distritos de Lisboa, Leiria e Faro estão mesmo esta terça-feira sob aviso amarelo, o segundo de uma escala de quatro, por causa do vento, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

De acordo com os avisos amarelos emitidos pelo IPMA, as rajadas de vento podem atingir os 80 quilómetros por hora (km/h) nas serras algarvias, em especial na Foia.

Os avisos em Lisboa e Leiria vigoram a partir das 12:00 e prolongam-se até às 21:00, com possibilidade de rajadas de vento até aos 75 km/h, em especial no litoral e nas terras altas. Em Faro, o aviso amarelo por causa do vento já está em vigor desde as 03:00.

A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) refere que, segundo as previsões fornecidas pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), para as próximas 48 horas prevê-se uma subida gradual dos valores de temperatura máxima, sendo o dia de quarta-feira o que será previsivelmente mais quente, podendo ser atingidos valores de 40º C no interior do Alentejo.

Relativamente ao vento, as previsões apontam para que seja do quadrante norte/noroeste, com rotação temporária para nordeste no interior norte e centro na terça e quarta-feira, soprando com uma intensidade forte, de forma constante nas próximas 48 horas, podendo ocorrer rajadas até 75 km/h no Algarve (em particular na Foia e em Monchique) e até 65 km/h no litoral oeste, incluindo no período noturno.

Para esta terça-feira prevê-se uma diminuição dos teores de Humidade Relativa do Ar, que não deverão exceder 20% (e 15%, pontualmente) na região sul e no interior centro e inferiores a 30% no nordeste transmontano.

Quase três dezenas de concelhos em risco máximo

Face a estas previsões, a ANEPC avisa para o aumento do risco de incêndio, sobretudo na quarta-feira, em especial no interior norte e centro e na região do Algarve.

Já segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), quase três dezenas de concelhos dos distritos da Guarda, Castelo Branco, Portalegre, Santarém, Odemira e Faro apresentam esta terça-feira risco máximo de incêndio. São eles os municípios de Figueira de Castelo Rodrigo, Celorico da Beira, Pinhel, Fornos de Algodres, Sabugal, Penamacor e Covilhã, todos do distrito da Guarda.

No distrito de Castelo Branco estão em risco máximo os concelhos de Vila Velha de Ródão, Proença-a-Nova e Vila de Rei, no de Portalegre os municípios de Marvão, Gavião e Nisa e no distrito de Santarém os concelhos de Mação, Sardoal e Abrantes.

No sul, no distrito de Beja, está em risco máximo de incêndio o concelho de Odemira e no distrito de Faro os municípios de Alcoutim, Castro Marim, São Brás de Alportel, Tavira, Loulé, Silves, Monchique e Aljezur.

O IPMA colocou também em risco muito elevado de incêndio mais de meia centena de municípios dos distritos de Bragança, Guarda, Castelo Branco, Viseu, Vila Real, Coimbra, Leiria, Santarém, Portalegre, Lisboa, Beja e Faro.

Em risco elevado estão outras dezenas de municípios de norte a sul do país, com exceção do litoral norte.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA tem cinco níveis, que vão de reduzido a máximo, sendo o elevado o terceiro nível mais grave. Os cálculos para este risco são obtidos a partir da temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

A ANEPC recorda que para os locais onde o risco de incêndio seja "elevado" ou "muito elevado" não é permitida a queima de matos cortados e amontoados e qualquer tipo de sobrantes de exploração, está sujeita a autorização da autarquia local, devendo esta definir o acompanhamento necessário para a sua concretização, tendo em conta o risco do período e zona em causa.

Está igualmente proibido o uso de fogareiros e grelhadores em todo o espaço rural, exceto se usados fora das zonas críticas e nos locais devidamente autorizados para o efeito, o lançamento de balões com mecha acesa e de foguetes e o uso de fogo-de-artifício só é permitido com autorização da Câmara Municipal.

O IPMA prevê para esta terça-feira vento moderado a forte no litoral oeste e nas terras altas do centro e sul do país e uma pequena subida da temperatura máxima no interior e uma pequena descida da temperatura mínima, em especial no interior norte e centro. As temperaturas mínimas no continente vão oscilar entre os nove graus Celsius (Bragança, Guarda, Vila Real e Viseu) e os 17º (Faro) e as máximas entre os 22º (Aveiro e Porto) e os 32º (Évora e Faro).

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?