Temperaturas vão chegar aos 40ºC nos próximos dias. Proteção Civil lança alerta

Nas próximas horas está previsto um aumento gradual da temperatura máxima. O Alentejo pode chegar aos 40ºC na quarta-feira e hoje há quase três dezenas de concelhos com risco máximo de incêndio.

A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) prevê elevado risco de incêndios nestas terça e quarta-feiras, face à previsão de agravamento das condições meteorológicas, com diminuição da humidade relativa e aumento da intensidade do vento e da temperatura.

O dia de hoje, terça-feira, deverá ser "o mais crítico" em termos de intensidade do vento (durante o dia e noite), em particular o distrito de Faro (principalmente o barlavento algarvio) e as regiões centro e sul, podendo ocorrer rajadas até 75 km/h nos distritos de Lisboa e de Leiria..

Os distritos de Lisboa, Leiria e Faro estão mesmo esta terça-feira sob aviso amarelo, o segundo de uma escala de quatro, por causa do vento, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

De acordo com os avisos amarelos emitidos pelo IPMA, as rajadas de vento podem atingir os 80 quilómetros por hora (km/h) nas serras algarvias, em especial na Foia.

Os avisos em Lisboa e Leiria vigoram a partir das 12:00 e prolongam-se até às 21:00, com possibilidade de rajadas de vento até aos 75 km/h, em especial no litoral e nas terras altas. Em Faro, o aviso amarelo por causa do vento já está em vigor desde as 03:00.

A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) refere que, segundo as previsões fornecidas pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), para as próximas 48 horas prevê-se uma subida gradual dos valores de temperatura máxima, sendo o dia de quarta-feira o que será previsivelmente mais quente, podendo ser atingidos valores de 40º C no interior do Alentejo.

Relativamente ao vento, as previsões apontam para que seja do quadrante norte/noroeste, com rotação temporária para nordeste no interior norte e centro na terça e quarta-feira, soprando com uma intensidade forte, de forma constante nas próximas 48 horas, podendo ocorrer rajadas até 75 km/h no Algarve (em particular na Foia e em Monchique) e até 65 km/h no litoral oeste, incluindo no período noturno.

Para esta terça-feira prevê-se uma diminuição dos teores de Humidade Relativa do Ar, que não deverão exceder 20% (e 15%, pontualmente) na região sul e no interior centro e inferiores a 30% no nordeste transmontano.

Quase três dezenas de concelhos em risco máximo

Face a estas previsões, a ANEPC avisa para o aumento do risco de incêndio, sobretudo na quarta-feira, em especial no interior norte e centro e na região do Algarve.

Já segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), quase três dezenas de concelhos dos distritos da Guarda, Castelo Branco, Portalegre, Santarém, Odemira e Faro apresentam esta terça-feira risco máximo de incêndio. São eles os municípios de Figueira de Castelo Rodrigo, Celorico da Beira, Pinhel, Fornos de Algodres, Sabugal, Penamacor e Covilhã, todos do distrito da Guarda.

No distrito de Castelo Branco estão em risco máximo os concelhos de Vila Velha de Ródão, Proença-a-Nova e Vila de Rei, no de Portalegre os municípios de Marvão, Gavião e Nisa e no distrito de Santarém os concelhos de Mação, Sardoal e Abrantes.

No sul, no distrito de Beja, está em risco máximo de incêndio o concelho de Odemira e no distrito de Faro os municípios de Alcoutim, Castro Marim, São Brás de Alportel, Tavira, Loulé, Silves, Monchique e Aljezur.

O IPMA colocou também em risco muito elevado de incêndio mais de meia centena de municípios dos distritos de Bragança, Guarda, Castelo Branco, Viseu, Vila Real, Coimbra, Leiria, Santarém, Portalegre, Lisboa, Beja e Faro.

Em risco elevado estão outras dezenas de municípios de norte a sul do país, com exceção do litoral norte.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA tem cinco níveis, que vão de reduzido a máximo, sendo o elevado o terceiro nível mais grave. Os cálculos para este risco são obtidos a partir da temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

A ANEPC recorda que para os locais onde o risco de incêndio seja "elevado" ou "muito elevado" não é permitida a queima de matos cortados e amontoados e qualquer tipo de sobrantes de exploração, está sujeita a autorização da autarquia local, devendo esta definir o acompanhamento necessário para a sua concretização, tendo em conta o risco do período e zona em causa.

Está igualmente proibido o uso de fogareiros e grelhadores em todo o espaço rural, exceto se usados fora das zonas críticas e nos locais devidamente autorizados para o efeito, o lançamento de balões com mecha acesa e de foguetes e o uso de fogo-de-artifício só é permitido com autorização da Câmara Municipal.

O IPMA prevê para esta terça-feira vento moderado a forte no litoral oeste e nas terras altas do centro e sul do país e uma pequena subida da temperatura máxima no interior e uma pequena descida da temperatura mínima, em especial no interior norte e centro. As temperaturas mínimas no continente vão oscilar entre os nove graus Celsius (Bragança, Guarda, Vila Real e Viseu) e os 17º (Faro) e as máximas entre os 22º (Aveiro e Porto) e os 32º (Évora e Faro).

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.