PJ captura homicida chinês em fuga há 20 anos

O homem tem 56 anos, nacionalidade chinesa e tinha autorização de residência em Portugal. Em 1999 tinha sido condenado em Itália a uma pena de 25 anos de prisão, pelo crime de homicídio

A Polícia Judiciária (PJ) deteve em Vila Real um cidadão chinês em fuga há 20 anos, depois ter ter sido condenado por homicídio em Itália.

Era proprietário de uma loja na localidade de Boticas, tinha autorização de residência legal em Portugal e estava estabelecido no nosso país com a mulher e um filho.

Fonte autorizada da PJ revelou ao DN que a localização do homicida em fuga, com 56 anos, terá ocorrido na sequência da emissão de um mandado de detenção europeu emitido pelas autoridades italianas a 20 de junho de 2019, que colocou o homicida nas bases de dados das polícias europeias.

A mesma fonte acrescenta que o cidadão chinês usava vários nomes de identificação, tendo dificultado bastante a investigação da PJ, que acabou por detetá-lo quando fez cruzamento de informações com as autorizações de residência emitidas pelo SEF.

Segundo o comunicado oficial "a PJ conhecimento que poderia encontrar-se no norte de Portugal, vindo a localizá-lo e a detê-lo, no concelho de Vila Real".

O detido residiu em Itália, onde foi condenado a uma pena de 25 anos de prisão, pelo crime de homicídio, em 1999. Era procurado desde essa data, nunca tendo sido localizado.

O homem foi presente na passada sexta-feira ao Tribunal de Relação de Guimarães que determinou que aguardasse a extradição em prisão preventiva.

A investigação foi coordenada pela Unidade de Informação de Investigação Criminal da PJ.

Notícia atualizada com a correção da PJ da data de emissão do mandado de detenção

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Na hora dos lobos

Na ação governativa emergem os sinais de arrogância e de expedita interpretação instrumental das leis. Como se ainda vivêssemos no tempo da maioria absoluta de um primeiro-ministro, que o PS apoiou entusiasticamente, e que hoje - acusado do maior e mais danoso escândalo político do último século - tem como único álibi perante a justiça provar que nunca foi capaz de viver sem o esbulho contumaz do pecúlio da família e dos amigos. Seria de esperar que o PS, por mera prudência estratégica, moderasse a sua ação, observando estritamente o normativo legal.