Peregrinação do Migrante e do Refugiado no Santuário de Fátima

Peregrinação terá início às 18:30 na Capelinha das Aparições e, à noite, haverá a recitação do rosário e a procissão das velas.

A Peregrinação Internacional de agosto arranca esta segunda-feira no Santuário de Fátima, sendo esperados milhares de emigrantes na Cova da Iria, numa celebração presidida pelo cardeal canadiano Marc Ouellet. Decorre entre hoje e terça-feira, e integra, também, a Peregrinação Nacional do Migrante e Refugiado, sendo esperados milhares de emigrantes portugueses que aproveitam as férias de verão para se deslocar a Fátima.

A presidir ao evento, estará o cardeal Marc Ouellet, antigo arcebispo do Quebec (Canadá) que chegou a ser tido como um dos possíveis sucessores do papa Bento XVI. Marc Ouellet é também Prefeito da Congregação para os Bispos e presidente da Pontifícia Comissão para a América Latina.

Segundo o Santuário de Fátima, nesta peregrinação será recordado o Muro de Berlim, com uma paragem, durante a procissão das velas, e uma oração junto ao pedaço do muro que se encontra em Fátima e que foi oferecido por um português residente na Alemanha.

O início da peregrinação está marcado para esta segunda-feira, às 18:30, na Capelinha das Aparições e, à noite, haverá a recitação do rosário, seguida da procissão das velas e da missa da vigília.

A missa internacional começa às 10:00 de terça-feira e integra "a tradicional oferta do trigo, pelos peregrinos, no momento da apresentação dos dons".

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.