Famílias podem pedir passe Navegante Família a partir de 22 de julho

Os utentes dos transportes públicos da Área Metropolitana de Lisboa (AML) poderão requerer o passe Navegante Família a partir do dia 22 de julho, por um valor máximo de 80 euros, foi hoje anunciado.

O passe Navegante Família poderá ser requerido a partir do dia 22 de junho, segunda-feira, nos postos de atendimentos dos operadores de serviço público de transporte regular de passageiros que serão indicados em breve em www.aml.pt e em www.portalviva.pt, anunciou esta quarta-feira a Área Metropolitana de Lisboa.

"Após entrega do requerimento, a ativação do Navegante Família pode demorar até 10 dias, estando sujeita à verificação do cumprimento das condições de acesso", acrescenta o comunicado da Área Metropolitana de Lisboa no seu site.

O carregamento dos passes pode ser feito a partir do dia 26 de julho, com validade para o mês de agosto.

A modalidade do passe Navegante Família (municipal ou metropolitano) permite que três ou mais elementos do agregado familiar, com residência comprovada num dos 18 municípios da AML paguem, no máximo, o valor de dois passes metropolitanos (80 euros).

No caso de o passe ser Navegante Família municipal o valor será de 60 euros.

Os utentes da Área Metropolitana de Lisboa (AML) começaram a 1 de abril a sentir alívio nos preços dos transportes públicos, uma medida que pretende reduzir o uso do transporte individual.

Foi criado um passe metropolitano, que permite viajar em todos os concelhos da AML, por um custo máximo de 40 euros, e um passe municipal para quem viaja apenas dentro de um concelho, que custa 30 euros.

A AML acrescenta que criou uma linha de apoio ao utente. "Para prestar os esclarecimentos necessários, a AML tem em funcionamento, a partir de amanhã, dia 18 de julho, através do n.º 210 118 218, uma linha telefónica informativa, que funcionará nos dias úteis, das 09h00 às 19h00."

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.