Viúva diz que Vila Real enterrou pedaço de Nadir Afonso ao demolir panificadora

A demolição do edifício da antiga panificadora de Vila Real, projetada por Nadir Afonso, insere-se no projeto de renovação da loja local da cadeia de supermercados Lidl. Viúva do artista diz que "Vila Real está de luto, Portugal está de luto e nós também estamos de luto".

Os trabalhos de demolição da panificadora ou Panreal começaram ao final da tarde de segunda-feira e prosseguem esta terça-feira perante o olhar atento dos defensores da preservação do imóvel que foi projetado pelo artista transmontano Nadir Afonso, falecido em 2013. O espaço privado onde está localizado o imóvel, construído em 1965, foi adquirido pelo Lidl.

Várias máquinas estão a demolir a antiga panificadora de Vila Real, a Panreal, um edifício que marca a carreira de Nadir Afonso por ser sido um dos seus últimos projetos de arquitetura.

"Eu acho que Vila Real está de luto, Portugal está de luto e nós também estamos de luto. Vila Real está a enterrar um pedaço do Nadir, está a destruir um pedaço da sua história", afirmou Laura Afonso ao jornalistas no local.

A viúva do artista plástico realçou aquilo que considerou ser a "maneira cobarde como se fazem as coisas", já que a demolição teve início ao final da tarde de segunda-feira.

"Às 18:00 vêm para aqui para quê? Para camuflar as coisas? Nem sequer têm coragem de assumir uma posição. Isto não tem explicação, é muito triste", salientou.

Laura Afonso criticou também a postura da câmara municipal, a qual disse "ter promovido um concurso de ideias para o aproveitamento do edifício da panificadora" e que "queria dar uma utilização digna ao espaço", mas que depois "mudou de ideias"

"É a submissão do poder político ao poder económico (...). A partir do momento em que o Lidl manifestou interesse na Panreal, a atitude da câmara alterou-se", afirmou.

Laura Afonso disse ainda que sobre este edifício foram feitas "seis teses de mestrado".

Projeto foi aprovado por unanimidade

O espaço privado onde está localizado o imóvel, construído em 1965, foi adquirido pelo Lidl. Numa resposta escrita à agência Lusa, o Lidl explicou que a "aquisição do terreno em questão foi concretizada após as devidas aprovações e licenciamentos, cumprindo todos os procedimentos e despachos legais". "O tempo previsto de obra será de sete meses. Esta aquisição inclui-se no processo de renovação do nosso parque de lojas, que temos vindo a empreender de Norte a Sul do país, e que tem como objetivo a renovação da nossa loja existente em Vila Real", salientou a cadeira de supermercados.

De acordo com informação disponibilizada pela Câmara de Vila Real, o Lidl apresentou um projeto que prevê a demolição de dois edifícios existentes, a atual loja e a Panreal (como é conhecida localmente a panificadora), e a sua substituição por um outro com maior área.

O projeto foi aprovado por unanimidade pelo executivo na reunião de câmara da semana passada.

O Lidl sublinhou que, ao longo deste processo, desenvolveu "múltiplos esforços, ao reunir com a família e a Fundação Nadir Afonso, sempre com uma intenção clara de incluir uma componente de homenagem e memória do pintor" e adiantou que "à data nenhumas das sugestões foi aceite". "Independentemente dos imóveis estarem ou não classificados, a manutenção das estruturas existentes é uma prioridade para o Lidl, sempre que seja viável acomodar às necessidades do nosso negócio", afirmou.

Construído em 1965, este foi um dos últimos projetos de arquitetura de Nadir Afonso

Segundo a empresa, "neste caso em particular, a estrutura e configuração não permitem qualquer ajustamento à ocupação pretendida". "Acresce a isso que o espaço está em avançado estado de degradação com múltiplas placas de amianto, que, como é sabido, é um risco para a saúde pública", referiu o Lidl.

O edifício tem um projeto congénere em Chaves. Os dois imóveis marcam a carreira de Nadir Afonso, por serem os seus últimos projetos de arquitetura. Esta terça-feira manhã, num cartaz feito de papelão e colocado numa grade junto à obra foi escrito: "Centenário Nadir Afonso 1920-2020, licença para demolir o património, autorização Câmara Municipal de Vila Real".

"Vou ficar aqui o dia todo", garantiu Mila Simões de Abreu, professora universitária que integra a Associação Alter Ibi, que há três anos defende a preservação do edifício desenhado por Nadir Afonso. Na sua opinião, "a Panreal está a ser destruída e hoje Portugal ficou um bocadinho mais pobre".

Em abril de 2017, já tinham sido demolidas partes da fachada da panificadora

Na segunda-feira, Mila Simões de Abreu anunciou uma providência cautelar para travar a obra. Questionada hoje pela agência Lusa, a professora disse que o assunto "está a ser estudado". "Vamos usar todos os meios legais que estejam ao nosso alcance para fazer com que haja justiça", frisou.

A responsável alertou ainda para aquilo que considerou ser uma "situação preocupante", nomeadamente a retirada de amianto do edifício, aparentemente "sem serem cumpridas todas as regras de segurança", uma situação que foi exposta aos polícias que se encontravam nas proximidades do local.

Durante a manhã, foram vários os curiosos que passaram junto ao edifício e pararam para ver os trabalhos das máquinas que estavam a proceder à demolição. Maria Rosa não quis entrar na polémica à volta do edifício projetado por Nadir Afonso e apenas recordou a padaria onde foi cliente assídua até ter fechado. "Vinha aqui todos os dias comprar pão e os meus filhos vinham da discoteca e paravam aqui para comprar pão quente", contou.

José Luís vive há 40 anos na zona da Araucária e afirmou que foi também, durante anos, cliente da padaria. Hoje, mostrou-se a favor da demolição e defendeu que é preciso resolver o problema do edifício degradado, que serviu de albergue a toxicodependentes e, mais recentemente, a imigrantes de leste. "Isto assim, como está, é uma vergonha. É o escarro da cidade", salientou.

Em abril de 2017, já tinham sido demolidas partes da fachada da panificadora. A Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) arquivou em abril de 2018 o procedimento de classificação para Imóvel de Interesse Público, proposto por um grupo de cidadãos, considerando que o edifício já não reúne características para uma classificação de âmbito nacional. Em 2019, a Câmara de Vila Real decidiu não classificar a panificadora como imóvel de interesse municipal.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG