Braço de ferro continua. Ordem chama representantes dos enfermeiros para reunião

O governo aprovou, em Conselho de Ministros, a requisição civil de enfermeiros por considerar que houve incumprimento dos serviços mínimos na "greve cirúrgica"

A Ordem dos Enfermeiros (OE) convocou os sindicatos que decretaram a "greve cirúrgica" para uma reunião no dia 12 de fevereiro. A decisão surge depois do governo aprovar, em Conselho de Ministros, uma resolução para avançar com a requisição civil de enfermeiros. O anúncio foi feito pela ministra da Saúde, Marta Temido, em conferência de imprensa, onde justificou a decisão do Executivo pelas "situações de incumprimento dos serviços mínimos".

Em comunicado, a Ordem anuncia que além dos sindicatos estão também convocados os enfermeiros diretores dos centros hospitalares onde está a decorrer a "greve cirúrgica", "no âmbito do acompanhamento que a OE tem vindo a fazer da situação".

Governo aprova requisição civil de enfermeiros

Na nota, enviada às redações, é referido que a Bastonária da OE, Ana Rita Cavaco, "estará ao lado dos enfermeiros, como sempre tem estado e vai continuar a estar, no protesto" marcado para esta sexta-feira, dia 8, às 09:00, junto ao Hospital de Santa Maria, em Lisboa.

Esta quinta-feira, o governo aprovou uma resolução que reconhece a necessidade de requisição civil dos enfermeiros em relação à greve nos blocos operatórios, que decorre desde o fim de janeiro e prolonga-se até ao dia 28 de fevereiro.

Aos jornalistas, a ministra da Saúde, Marta Temido, afirmou que "face a situações de incumprimento dos serviços mínimos reportados em diversos hospitais" e "sem prejuízo do direito à greve", o governo "não teve alternativa" e optou pela requisição civil.

"Tendo-se verificado o incumprimento da obrigação de prestação de serviços mínimos, o Governo decidiu proceder à requisição civil, de forma proporcional e na medida do necessário, de modo a assegurar a satisfação de necessidades sociais impreteríveis no setor da saúde", refere o comunicado do Conselho de Ministros, citado pela Lusa.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG