Seis mortos e 1020 infetados por covid-19 em Portugal

Foram notificados mais 235 infetados, nas últimas 24 horas, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde, desta sexta-feira. Portugal é o 18.º país do mundo com mais casos.

Portugal já tem 1020 casos de infeção pelo novo coronavírus. 235 deles foram confirmados nas últimas 24 horas, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS), desta sexta-feira (20 de março). Há cinco pessoas recuperadas e 6 mortos. "O nosso sucesso no combate à epidemia depende da nossa resiliência. É importante que não esmoreçamos", pediu o Secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, na conferência de imprensa diária.

Estão internadas em hospitais 126 doentes, sendo que destes 26 encontram-nos cuidados intensivos (mais seis do que esta quinta-feira). A maioria dos doentes apresentam sintomas ligeiros, por isso, estão a ser acompanhados a partir de casa pelo seu médico de família ou por equipas de hospitalização domiciliária.

Há ainda 850 pessoas a aguardar o resultado das análises laboratoriais e 9008 contactos em vigilância pelas autoridades de saúde. Estão ativas 24 cadeias de transmissão no país, tal como ontem, a maioria com ligações ao estrangeiro. Portugal é, por esta altura, o 18.º país do mundo com maior número de casos de covid-19 diagnosticados.

A região mais afetada do país continua a ser o Porto (506 casos, uma morte), depois Lisboa (361, 2 mortes). Seguem-se o centro (106, 2 mortes), o Algarve (29, uma morte), os Açores (3) e o Alentejo (2). Na Madeira, há uma pessoa infetada, de acordo com o boletim, que, no entanto, não contabiliza os três casos anunciados na noite passada pela vice-presidente do Instituto de Administração da Saúde, Bruna Gouveia. Segundo a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, isto acontece, porque ou não foram ainda reportados no sistema eletrónico ou porque "têm de ser testados novamente no Instituto Ricardo Jorge para termos a certeza de que os laboratórios estão afinados. São medidas de segurança", justifica.

António Lacerda Sales indicou ainda, durante a conferência, que: "continuamos a robustecer a resposta do Serviço Nacional de Saúde no que toca a equipamentos. O SNS 24 [808 24 24 24] continua a ser a porta de entrada dos utentes e como tal continuamos a melhorar este serviço". Acrescentando um pedido a todos os portugueses para que continuem a respeitar este circuito e evitem a deslocação às urgências, sempre que possível.

Todos os dias o número de infetados com o novo coronavírus em Portugal tem desenhado uma curva de subida exponencial. A excepção foi esta quinta-feira - se analisarmos a última semana - o crescimento percentual foi mais baixo: 22%, quando tem andado na ordem dos 40% nos restantes dias.

De acordo com o que epidemiologista Henrique Barros explicou ao DN ainda é cedo para tirar conclusões. Podem ser todos estes fatores em conjunto ou apenas circunstancial. Certo para este especialista, presidente do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto, é que só um crescimento menor de infetados durante três, quatro ou cinco dias, permitirá chegar a uma conclusão. Também o matemático Jorge Buescu, que tem estudado o alastrar da pandemia do novo coronavírus, aponta nesse sentido: "Um ponto não serve para marcar uma tendência. Para se avaliar de uma forma consistente tem que se registar durante três, quatro dias":

Portugal encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de quinta-feira até às 23:59 de 2 de abril, segundo o decreto publicado na quarta-feira em Diário da República, que prevê a possibilidade de confinamento obrigatório compulsivo dos cidadãos em casa e restrições à circulação na via pública, a não ser que tenham justificação.

Polícias nas ruas com altifalantes e drones

A partir da entrada em vigor do estado de emergência de combate ao coronavírus - com todas as medidas restritivas de circulação e reunião - são as polícias que vão estar nas ruas a controlar o seu cumprimento. Na PSP, força de segurança presente nas grandes cidades do país, o plano operacional já tinha começado a ser preparado antes mesmo da decisão do Presidente da República, pois está em causa uma mobilização sem precedentes de milhares de agentes com uma missão nunca feita em democracia: obrigar as pessoas a ir para suas casas e impedir que se juntem nas ruas.

Mais de 10 mil mortos em todo o mundo

A pandemia de covid-19 já fez mais de 10 mil mortos em todo o mundo, uma marca alcançada esta sexta-feira. Segundo os dados oficiais, Itália é o país mais afetado, com 3 405 mortes (em 41 035 casos), tendo ultrapassado esta quinta-feira a China, que regista 3 248 óbitos (em 80 967 casos).

Neste ranking, os países que se seguem são o Irão (1 284 mortes em 18 407 casos), Espanha (831 mortes em 18 077 casos), França (372 mortes em 10 995 casos), Estados Unidos (217 mortes em 14 366 casos) e Reino Unido (144 mortes em 3 269 casos), os únicos que registam mais de 100 mortes até ao início da manhã desta sexta-feira. A Alemanha, que tem 15 320 casos, não foi ainda além das 44 mortes.

Recomendações da DGS

Para que seja possível conter ao máximo a propagação da pandemia, a Direção-Geral da Saúde continua a reforçar os conselhos relativos à prevenção: evite o contacto próximo com pessoas que demonstrem sinais de infeção respiratória aguda, lave frequentemente as mãos (pelo menos durante 20 segundos), mantenha a distância em relação aos animais e tape o nariz e a boca quando espirrar ou tossir (de seguida lave novamente as mãos).

Em caso de apresentar sintomas coincidentes com os do vírus (febre, tosse, dificuldade respiratória), as autoridades de saúde pede que não se desloque às urgências, mas sim para ligar para a Linha SNS 24 (808 24 24 24).

Com Graça Henriques, Valentina Marcelino.

Siga aqui todos os desenvolvimentos do surto.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG