Mustafá: "Bruno de Carvalho não levou porque eu não deixei"

O líder da claque Juventude Leonina, Nuno Mendes "Mustafá", garantiu nesta quarta-feira em tribunal que passou o dia da invasão à academia em casa e que o seu nome foi usado abusivamente nos grupos em que foi combinado o ataque.

"Usarem o meu nome nos grupos de WhatsApp [nos quais foi combinado o ataque] foi um abuso de poder", disse Mustafá, ouvido nesta quarta-feira na 34.ª sessão do julgamento da invasão à Academia Sporting, a 15 de maio de 2018.

Mustafá, detido preventivamente desde maio de 2019 por alegado tráfico de estupefacientes, não estava nos grupos em que foi combinado o ataque e não respondeu a mensagens noutros grupos de que fazia parte desde a derrota (2-1) do Sporting no terreno do Marítimo, que ditou o afastamento da equipa do segundo lugar da I Liga e da Liga dos Campeões, dois dias antes do ataque.

O arguido garantiu ter passado o dia do ataque em casa, com o telefone desligado, e ter sabido do ataque pela televisão, depois de ter sido alertado pela mulher. "No dia 15 acordei com a canja da Cristina, voltei a dormir, nem saí de casa", disse, acrescentando que mais tarde foi a mulher que o acordou para "ver na televisão o que se estava a passar na Academia".

Mustafá, que foi à Madeira mas acabou por ver o jogo com o Marítimo na televisão "num café", disse ter regressado a Lisboa na segunda-feira de manhã e ido para casa. "Vim da Madeira na segunda-feira, apaguei, e 24 horas depois tenho o mundo todo em cima de mim", referiu, admitindo que os desacatos no aeroporto do Funchal entre jogadores e adeptos "passaram-me ao lado".

O líder da Juve Leo desde 2011, que disse ser "a única pessoa em Portugal presa por 14 gramas [de droga] e sem investigação", considerou que "nada do que se passou é normal" e chegou mesmo a desabafar: "Não estive na Academia [no dia da invasão], antes tivesse estado."

O arguido disse ter sido ele a marcar a reunião de 7 de abril, na casinha, a sede da Juve Leo, para falar sobre problemas que se tinham passado no jogo com o Atlético de Madrid (derrota do Sporting por 2-0), explicando que, entretanto, recebeu um telefonema a dizer "que o presidente queria ir à reunião".

Segundo Mustafá, "o presidente queria falar sobre o post", no qual criticou a prestação da equipa no jogo de Madrid, disputado a 5 de abril, da primeira mão dos quartos-de-final da Liga Europa. "Ainda hoje não sei qual foi o post do Bruno de Carvalho, estava a borrifar-me para os posts do presidente", disse, acrescentando: "Aquilo depois descambou, nem sei como é que ele naquela noite não levou umas pingas ali, não levou porque eu não deixei."

Mustafá, que disse ser "o mais injustiçado do processo", desmentiu o futebolista William Carvalho, que afirmou em tribunal ter recebido um telefonema seu a dizer que o presidente Bruno de Carvalho lhe tinha pedido para "partir os carros dos jogadores".

No final da sessão, o advogado de Mustafá, Rocha Quintal, apresentou, pela terceira vez, um pedido de alteração da medida de coação do arguido, para uma medida não privativa da liberdade.

O julgamento da invasão à Academia Sporting prossegue na sexta-feira com Eduardo Nicodemes e Ricardo Neves, de manhã, e Bruno de Carvalho, antigo presidente do clube, à tarde.

O processo da invasão à Academia tem 44 arguidos, acusados da coautoria de 40 crimes de ameaça agravada, de 19 crimes de ofensa à integridade física qualificada e de 38 crimes de sequestro, todos estes (97 crimes) classificados como terrorismo.

Bruno de Carvalho, Mustafá e Bruno Jacinto, ex-oficial de ligação aos adeptos do Sporting, estão acusados de autoria moral de todos os crimes e o líder da Juve Leo responde ainda por tráfico de droga.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG