Morreu o psicanalista Carlos Amaral Dias

O psicanalista, professor e autor Carlos Amaral Dias morreu esta terça-feira, de doença, em Lisboa. Tinha 74 anos e era pai da ex-deputada do Bloco de Esquerda Joana Amaral Dias.

Médico, psicanalista, professor universitário e autor, morreu Carlos Amaral Dias, confirmou à Lusa Luís Marinho, docente e membro da comissão do Instituto Superior Miguel Torga, de Coimbra.

Carlos Amaral Dias era até há um mês o diretor daquele instituto, cargo que abandonou nessa altura a seu pedido, depois de mais de duas décadas à frente da sua direção.

Carlos Augusto Amaral Dias nasceu em 1946, em Coimbra, cidade onde se formou em Medicina, tendo-se especializado depois em psiquiatria. Em 1981 doutorou-se, sempre na Universidade de Coimbra, com uma dissertação sobre a influência dos fatores psíquicos e sociais no desenvolvimento de toxicomania.

Diretor do Instituto Superior Miguel Torga durante mais de duas décadas, foi também professor catedrático da cadeira de Psiquiatria Dinâmica na Universidade de Coimbra. Foi ainda presidente da Sociedade Portuguesa de Psicanálise e da Sociedade Portuguesa de Psicodrama Psicanalítico de Grupo, dirigiu a Revista Portuguesa de Psicanálise, e ocupou igualmente o cargo de vice-presidente Academia Internacional de Psicologia.

Teórico conceituado e investigador na área da toxicodependência, foi também conferencista, atividade que o levou a diferentes cidades do mundo, como Roma, Nova Iorque, São Paulo ou Barcelona.

Autor de mais de uma dezena de livros centrados na psicanálise, na psicologia e nas relações humanas, como "O Obscuro Fio do Desejo", Teoria das Transformações" ou "Capturando as Linhas da Psicopatologia Borderland, Estados-limite", Carlos Amaral Dias escreveu também artigos para diferentes revistas da especialidade, como a Revista Portuguesa de Psicanálise e a Análise Psicológica, e foi autor e coautor de programas na TSF entre 1990 e 2003. Entre eles, "O Inferno Somos Nós" e "Freud e Maquiavel".

Pai da psicóloga e ex-deputada Joana Amaral Dias e do gestor Henrique Amaral Dias, o psicanalista dirigiu e participou em diversos programas radiofónicos, como "O Inferno Somos Nós" e "Freud e Maquiavel", na TSF, ou "Alma Nostra", na Antena 1.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...