Ministério da Saúde garante que não há falta de medicamentos nas farmácias

A secretária de Estado Adjunta e da Saúde assegurou esta quarta-feira que não há qualquer falta de medicamentos nas farmácias por causa das restrições impostas pela pandemia. O medicamento "victan" tem sim "indisponibilidade temporária para abastecer o mercado".

"Não existe carência [de medicamentos] digna de registo", afirmou Jamila Madeira, na conferência de imprensa de acompanhamento da pandemia de covid-19. A governante explicou que existe uma "reserva estratégica", que é "monitorizada diariamente".

Questionada sobre a indisponibilidade do medicamento "victan", a secretária de Estado Adjunta e da Saúde esclareceu que existe uma "indisponibilidade temporária para abastecer o mercado", estando a Autoridade Nacional do Medicamento- Infarmed a "desenvolver todos os esforços no sentido de repor esse medicamento".

Contudo, explicou que "existe terapêutica alternativa", havendo orientações do Infarmed e da Comissão Nacional de Farmácia e Terapêutica aos profissionais de saúde para adotarem "a terapêutica alternativa ou terapêuticas não farmacológicas alternativas".

A Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed) anunciou, na terça-feira, que o medicamento indicado para ansiedade e sintomas nervosos "Victan 2mg" está indisponível no mercado, apontando como "data provável" para a sua reposição o quatro trimestre deste ano.

O medicamento Victan, substância ativa Loflazepato de Etilo, é classificado como benzodiazepina com atuação ao nível do sistema nervoso central, encontrando-se indicado para a ansiedade e sintomas ansiosos.

A Autoridade Nacional do Medicamento afirma que está a "desenvolver todos os esforços no sentido assegurar o abastecimento das farmácias e unidades de saúde com a maior brevidade, estando para o efeito a realizar contactos com outros agentes do setor".

Uma vez que estas diligências se encontram ainda em curso, o Infarmed solicitou orientações à Comissão Nacional de Farmácia e Terapêutica, que já emitiu uma indicação.

"De acordo com a evidência científica disponível, em alternativa ao medicamento Victan 2mg, em especial no tratamento de sintomas de ansiedade crónica e quando exista risco de ocorrência de sintomas físicos de abstinência pode ser considerada a substância ativa Alprazolam 1mg em formulação de libertação prolongada, que se encontra disponível no mercado português", refere a Comissão Nacional de Farmácia e Terapêutica.

Para a prescrição da terapêutica alternativa mais adequada deverá o utente contactar o seu médico, refere o Infarmed no comunicado publicado no seu 'site'.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG