Ministério da Defesa confirma venda de cinco F-16 à Roménia

De acordo com o Ministério da Defesa, as aeronaves em causa fazem parte do "inventário nacional" e vão ser repostas por outras compradas aos EUA

O Ministério da Defesa confirmou esta quinta-feira que vai vender mais cinco F-16 à Roménia e adiantou que as aeronaves a alienar sairão do "inventário nacional", sendo repostas por outras compradas aos EUA e atualizadas em Portugal.

"Tal como no programa anterior, as aeronaves a alienar fazem parte do inventário nacional, sendo repostas por aeronaves adquiridas aos EUA que são sujeitas a um programa de atualização, `Mid-Life Upgrade´, conduzido pela Força Aérea Portuguesa e pela Indústria de Defesa Nacional", respondeu o Ministério da Defesa, a uma pergunta enviada pela agência Lusa.

Não está ainda definido o planeamento ou a calendarização do novo processo de alienação das aeronaves, sendo certo que a Roménia já manifestou que quer concretizar a compra o mais rapidamente possível

Após um "pedido de informação" da Força Aérea da Roménia, o ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, deu despacho favorável ao seguimento do processo e a "Força Aérea Portuguesa respondeu à congénere romena" que "haveria a possibilidade de fornecer até cinco aeronaves adicionais", é referido na resposta do Ministério da Defesa.

A alienação daquelas aeronaves exigirá um processo negocial com os EUA, fabricante, que ainda não está concluído, admitiram à Lusa fontes militares e da Defesa Nacional.

Por essa razão, segundo as mesmas fontes, não está ainda definido o planeamento ou a calendarização do novo processo de alienação das aeronaves, sendo certo que a Roménia já manifestou que quer concretizar a compra o mais rapidamente possível.

A intenção foi reforçada junto do governo português pelo secretário de Estado romeno Mircea Dusa, que esteve na semana anterior em Portugal.

Após o programa de alienação dos 12 F-16 à Roménia, Portugal ficou com 30 destas aeronaves

Na resposta enviada à Lusa, o Ministério da Defesa português sublinha que o anterior processo de alienação de 12 aeronaves F-16 para a Roménia, nove monolugares e três bi-lugares, conduzido por Portugal e com o apoio dos EUA, conheceu um sucesso notável" que foi "amplamente reconhecido por todas as partes".

Após o programa de alienação dos 12 F-16 à Roménia, Portugal ficou com 30 destas aeronaves.

O ministro romeno da Defesa disse que, além dos cinco novos F-16, quer comprar mais 36

Citado na imprensa internacional, o ministro da Defesa da Roménia, Mihai Fifor, afirmou na segunda-feira, em conferência de imprensa no Ministério, que irá apresentar até ao fim do ano uma iniciativa legislativa no parlamento romeno visando a compra de mais cinco caças, quatro mono-lugares e um bi-lugar, para completar a esquadra de 12 F-16 comprados a Portugal.

O ministro romeno disse que, além dos cinco novos F-16, quer comprar mais 36, visando a substituição integral dos caças de origem russa MiG-21, cujos voos estão, aliás, suspensos até se concluírem as investigações a um acidente com um MiG-21 Lancer que vitimou o piloto, durante um festival aéreo na Roménia no passado dia 7.

O programa da venda de 12 F-16 à Roménia incluiu a formação e treino de cerca de 84 militares romenos, entre pilotos, técnicos e mecânicos entre 2014 e 2018, a preparação e modernização das aeronaves e o envio de uma equipa portuguesa de formação e suporte para apoiar a Força Aérea romena durante dois anos.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.