Maria Flor Pedroso deixa a direção da RTP. "Considero não haver condições"

A jornalista pôs o seu lugar como diretora de informação da RTP à disposição. O Conselho de Administração da RTP aceitou.

Maria Flor Pedroso colocou "o seu lugar à disposição" por considerar não ter "condições para a prossecução de um trabalho sério" e a administração aceitou por não ter "outra alternativa, sublinhando o seu "currículo irrepreensível".

Em comunicado, o Conselho de Administração da RTP, liderado por Gonçalo Reis, refere que "recebeu uma comunicação da diretora de informação Maria Flor Pedroso a colocar o seu lugar à disposição, por esta considerar que, face aos danos reputacionais causados à RTP, não tem condições para a prossecução de um trabalho sério, respeitado e construtivo, como sempre tem feito".

Depois de "auscultação dos motivos invocados pela diretora e exclusivamente por esses motivos, o Conselho de Administração considera que não tem "outra alternativa que não seja aceitar essa decisão", agradecendo a "Maria Flor Pedroso, jornalista de idoneidade e currículo irrepreensível, o trabalho desenvolvido de forma dedicada, competente e séria enquanto diretora de informação de televisão da RTP".

O comunicado do conselho de administração refere ainda que será nomeada em breve uma nova direção.

"Direção nunca cedeu a outra motivação que não fosse informação isenta e independente"

"O projeto profissional a que esta direção se entregou, por mim liderada, nunca cedeu a motivação outra, que não a da causa de uma informação livre, isenta, plural e independente", refere Maria Flor Pedroso na carta enviada ao presidente da RTP, na qual pôs o lugar à disposição, a que a Lusa teve acesso.

"Face à reiterada exposição pública de insinuações, mentiras e calúnias, à qual eu e a minha direção somos totalmente alheios, face aos danos reputacionais causados à RTP, considero não haver condições para a prossecução de um trabalho sério, respeitado e construtivo, como tentámos realizar ao longo deste ano de mandato", sublinha Maria Flor Pedroso.

A diretora de informação cessante refere ainda que: "A construção de realidades alternativas a partir de meias verdades, da qual se alimenta um certo tipo de jornalismo no qual não me revejo, é um dos problemas da sociedade atual que precisa de um jornalismo vigoroso e rigoroso, livre e independente, isento e plural para robustecer as sociedades democráticas".

"Tinha a expectativa de que - quando aceitei o seu convite que muito me honrou - ao escolher uma direção de enorme valia profissional, diversa nos currículos, nas experiências e no género, formada por jornalistas com provas dadas da sua competência e rigor, de poder contribuir para prestigiar o serviço público de televisão e todos os que nele trabalham", acrescentou Flor Pedroso, que termina agradecendo ao presidente da RTP, Gonçalo Reis, "pela forma sempre leal e frontal" com que foram "ultrapassando os problemas que iam surgindo".

Conselho de redação convocado

O Conselho de Redação da RTP convocou para esta segunda-feira, às 14:00, um plenário de jornalistas sobre o conflito entre a equipa do programa de informação Sexta às 9, coordenado pela jornalista Sandra Felgueiras, e a diretora de informação da televisão pública, Maria Flor Pedroso.

Em causa está um relato feito pela coordenadora do programa, em 11 de dezembro, numa reunião com o Conselho de Redação (CR) a propósito do programa sobre o lítio, em que adiantou que o Sexta às 9 estava a investigar suspeitas de corrupção no âmbito do processo de encerramento do Instituto Superior de Comunicação Empresarial (ISCEM), que passava pelo alegado recebimento indevido de "dinheiro vivo".

Nesse âmbito, Sandra Felgueiras acusou Maria Flor Pedroso de ter transmitido informação privilegiada à visada na reportagem [diretora do ISCEM, Regina Moreira], o que a diretora de informação da RTP "rejeitou liminarmente", de acordo com as atas do CR e com a posição enviada à redação pela diretora de informação da RTP na passada sexta-feira, a que a Lusa teve acesso.

Na posição escrita sobre a "verdade dos factos", Maria Flor Pedroso garante que "nunca" informou a diretora do ISCEM sobre a investigação.

"Nada foi falado sobre o contrato de compra e venda do imóvel ou outros dados da investigação. A diretora de informação limitou-se a defender os interesses da RTP ao tentar contrariar a recusa de uma entrevista", garante Maria Flor Pedroso, no texto.

De acordo com convocatória do CR da RTP, os membros do órgão consideram que "a gravidade dos acontecimentos revelados obriga à auscultação de todos os elementos da redação", pelo que é convocado um plenário de jornalistas para hoje com um único ponto da ordem de trabalhos: "situação DI/Sexta às 9".

Abaixo-assinado em defesa de Maria Flor Pedroso

Entretanto, até às 18:00 de domingo, mais de 130 jornalistas tinham subscrito um abaixo-assinado em defesa de Maria Flor Pedroso, uma iniciativa que arrancou na sexta-feira e conta com nomes de profissionais de várias gerações e meios, desde Adelino Gomes, Henrique Monteiro, Anabela Neves, Francisco Sena Santos, Rita Marrafa de Carvalho, São José Almeida ou Sérgio Figueiredo.

"Confrontados com o grave ataque público à integridade profissional da jornalista Maria Flor Pedroso, os jornalistas abaixo-assinados não podem deixar de tomar posição em sua defesa, independentemente das questões internas da empresa onde é diretora de informação, que manifestamente nos ultrapassam", referem os 133 jornalistas que subscrevem o documento.

No abaixo-assinado, com quatro pontos, os jornalistas - de várias redações - apontam que "Maria Flor Pedroso é jornalista há mais de 30 anos, sem mácula", uma "jornalista exemplar" e "reconhecida e respeitada pelos pares".

Os subscritores defendem que a diretora de informação da RTP "é uma das mais sérias profissionais do jornalismo português", tendo chegado "por mérito ao cargo que atualmente ocupa".

Maria Flor Pedroso é "defensora irredutível do jornalismo livre, rigoroso", "sem cedências ao mediatismo, a investigações incompletas, ou à pressão de poderes de qualquer natureza", sublinham no abaixo-assinado.

Recordam ainda que a profissional "foi escolhida pelos pares para presidir à Comissão Organizadora do 4.° Congresso dos Jornalistas Portugueses, uma iniciativa que se revelou um marco na discussão dos problemas da profissão".

Maria Flor Pedroso "é frontal", "rejeita favores" e "nunca foi acusada de mentir", salientam no seu abaixo-assinado.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG