Loja fecha sem aviso e deixa noivas em aflição para recuperar vestidos

Loja Speciale, em Gaia, fechou portas, desligou telefone e desativou página no Facebook. Lesados tentam reaver vestidos ou dinheiro junto dos proprietários.

No total, serão mais de 30 pessoas lesadas e mais de 30 mil euros em risco após o inesperado fecho da loja de noivas Speciale, em Canidelo, Gaia, que deixou várias pessoas a temer pelos vestidos encomendados, muitas delas com o casamento marcado para as próximas semanas.

Depois do alerta lançado no Facebook pelo noivo de uma das lesadas, Patrick Santos, foram várias as pessoas que se dirigiram na noite de segunda-feira a um armazém, também em Canidelo, onde os proprietários da loja têm alguns dos vestidos guardados. Muitas clientes optaram por levar os vestidos mesmo sem os arranjos ainda feitos, outras não tiveram vestido para levantar e outras ainda pediram o dinheiro de volta por quebra de confiança, como adiantou Patrick Santos numa publicação no Facebook, já esta terça-feira.

"Os presentes hoje em Canidelo no armazém resolveram todos a situação das mais diversas formas, desde o levantamento do vestido encomendado que estava em loja mesmo que sem os arranjos pedidos na encomenda quer com devolução do dinheiro já pago nos casos em que não tinham o vestido ou mesmo não estava em mínimas condições ou simplesmente por uma questão de quebra de confiança", escreveu.

"É certo que não está resolvido a 100% pois só no local tivemos a perceção da dimensão do problema, pois 30 estávamos num local mas no armazém estávamos bem mais e muitos mais casos ainda estão por resolver pois as pessoas não puderam comparecer hoje ou por se calhar algumas ainda nem saberem de nada", acrescentou, escrevendo ainda que o proprietário da loja, Bruno Gaiteiro, se comprometeu a "resolver a bem" todas as situações, apelando aos lesados para comparecerem no armazém, situado na Rua Vale do Mendo, 210, em Canidelo.

Ao DN, Patrick Santos ​​​​​​​explicou que já foi entretanto ressarcido pelo proprietário da loja, que lhe devolveu o dinheiro através de transferência bancária (já validada). "Dos cerca de 30 casais que ontem foram ao armazém para tentar resolver situação, muitos optaram por levar os vestidos, mesmo que alguns estivessem sujos ou em mau estado, para não perderem tudo e tratarem eles dos arranjos finais noutro sítio. Outros, como nós, que vamos casar já em abril e o vestido da minha noiva ainda nem estava em Portugal, optámos pela devolução do dinheiro", revelou.

A situação foi intermediada pela PSP, informou Patrick Santos, que disse ainda que os proprietários começaram por dizer que a loja apenas tinha saído do local porque tinha acabado o contrato de arrendamento mas posteriormente alegaram também dificuldades financeiras. Segundo este lesado, baseado no número de pessoas que o têm contactado através do grupo de lesados no Facebook, poderão ser mais de 100 os casais afetados pelo encerramento da Speciale.

Contactada pelo DN, fonte do Comando Metropolitano do Porto da PSP confirmou que "várias pessoas se deslocaram à esquadra de Canidelo para denunciar o fecho da loja na qual tinham feito encomendas", mas adiantou que, contactados pela PSP, os proprietários se "comprometeram a respeitar os prazos de entrega, definidos até final desta semana, pelo que, legalmente, nenhuma queixa pode ser ainda apresentada".

O DN tentou contactar também os proprietários, mas o telefone disponível no site da loja já não funciona e a página Facebook também foi desativada.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG