Junta de dilatação cede e causa danos em 18 veículos à saída da Vasco da Gama

Problema no IC17 levou à supressão da via central no sentido Ponte Vasco da Gama-Odivelas e obrigou a encerrar o acesso ao IP7. Trânsito está bastante condicionado, mas já decorrem os trabalhos da Infraestruturas de Portugal para solucionar a situação.

A cedência de uma junta de dilatação no IC17 provocou danos em 18 viaturas, 17 ligeiros e um pesado, levando à supressão da via central no sentido Ponte Vasco da Gama-Odivelas e obrigando a encerrar o acesso ao IP7 (Eixo Norte-Sul), disse ao DN uma fonte do Comando Metropolitano de Lisboa e outra da Infraestruturas de Portugal.

Uma das viaturas afetadas foi um pesado, gerando derrame de combustível. Os bombeiros de Camarate estão a proceder aos trabalhos de contenção e limpeza do local. De acordo com informação da Infraestruturas de Portugal, o acesso ao IP7 será reaberto assim que ficarem terminados estes trabalhos de limpeza.

Os trabalhos para reparar a junta de dilatação já começaram, com a Infraestruturas de Portugal ainda a averiguar o que aconteceu. Também estão a ser avaliados os prejuízos causados, através da abertura de um procedimento interno.

As juntas de dilatação servem para permitir oscilações em estruturas como viadutos ou pontes, servindo de ligação ao resto da estrada. Não são uma peça única, razão pela qual não está toda a via encerrada ao trânsito.

O trânsito encontra-se bastante condicionado. A supressão da via e o acesso vão manter-se encerrados até a Infraestruturas de Portugal dar a luz verde para a sua reabertura, com os trabalhos a decorrerem para garantir que o problema fique solucionado até ao início da noite.

O problema ocorreu às 15.41 e, segundo a fonte do Comando Metropolitano de Lisboa, não causou feridos.

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.