"Jovens, ajudem ainda mais nesta fase" da pandemia, pede Marcelo

"O vírus está aí", lembrou o Presidente da República, num discurso novamente virado para os mais novos. Marcelo Rebelo de Sousa diz que os jovens têm de ser um exemplo e evitar fazer "aquilo que às vezes apetece fazer que é ir amontoados para as praias, para as festas e outras coisas assim".

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, apelou este sábado aos jovens para que "ajudem ainda mais nesta fase" da pandemia, considerando que este grupo etário "tem um papel fundamental" que é o de "dar o exemplo".

De máscara e luvas, Marcelo Rebelo de Sousa juntou-se esta tarde, no Parque Urbano Felício Loureiro em Queluz, concelho de Sintra, a uma ação de sensibilização dos mais jovens para o combate à covid-19, promovida pelo Conselho Nacional de Juventude (CNJ), iniciativa na qual estiveram ainda a ministra da Saúde, Marta Temido, e a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas.

"O apelo que vocês aqui fizeram e que eu apoio é: jovens, ajudem ainda mais nesta fase porque vocês têm a capacidade para dar mais exemplo do que os outros ainda e, portanto, deem mais exemplo do que os outros", pediu, numa breve intervenção, depois de ter dado uma volta ao parque a distribuir máscaras, álcool gel para as pessoas desinfetarem as mãos e alertar para a importância destes comportamentos.

Esta ação, de acordo com o Presidente da República, "é para explicar aos jovens como pequenos sinais, por simbólicos que sejam, são fundamentais para mostrarem que eles não podem entender - e não entendem - que vivem num mundo à parte do resto da sociedade".

Jovens devem evitar fazer "aquilo que às vezes apetece fazer que é ir amontoados para as praias, para as festas e outras coisas assim e depois obrigam a que as autoridades crescentemente tenham de intervir"

"E têm um papel fundamental porque são mais jovens, têm de dar o exemplo. Têm de dar o exemplo no distanciamento, em não haver ajuntamentos, não fazendo aquilo que às vezes apetece fazer que é ir amontoados para as praias, para as festas e outras coisas assim e depois obrigam a que as autoridades crescentemente tenham de intervir", advertiu.

Na perspetiva de Marcelo Rebelo de Sousa, "era mais fácil não ter de intervir, como aconteceu no confinamento voluntário".

"A larga maioria dos jovens percebe isto, mas há minorias que, de vez em quanto, nos jovens como nos não jovens, de repente, nesta fase de desconfinamento, acham que já passou a pandemia, que não há vírus", afirmou. O aviso do chefe de Estado é claro: "isso é falso. O vírus está aí".

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG