Vai precisar de ir a um hospital? Adivinham-se períodos "caóticos"

Redução de horário dos profissionais de saúde, sem contratações, pode criar problemas de resposta a quem recorrer aos hospitais

Os enfermeiros temem "um período caótico" e "de rutura" na maioria dos hospitais a partir deste domingo (1 de julho), devido à passagem de milhares de profissionais para as 35 horas de trabalho semanais sem a concretização das contratações pedidas pelas instituições. A situação torna-se mais grave por acontecer no início do período de férias, alerta a Ordem dos Enfermeiros e o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), avisando que o Algarve e o interior do país serão os mais prejudicados.

Também o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, já alertou para o facto de que a passagem do horário dos profissionais de saúde para as 35 horas semanais sem novas contratações vai reduzir a capacidade de resposta do Serviço Nacional de Saúde, principalmente nas regiões mais carenciadas e periféricas. Apesar das consequências desta mudança "ainda serem imprevisíveis", o bastonário da Ordem dos Médicos prevê "uma situação mais ou menos caótica", porque acontece no início do período de férias, em que há menos pessoas a trabalhar, e a "capacidade de resposta dos serviços é reduzida".

Já o presidente da Associação Portuguesa dos Administradores Hospitalares, Alexandre Lourenço, disse à Agência Lusa que "o impacto a partir de 1 de julho equivale a 12,5% dos contratos individuais de trabalho", sendo que contratar 2000 profissionais, como o governo já garantiu ir fazer, "fica bastante aquém do impacto".

Também em declarações à agência Lusa, o presidente do Sindicato Nacional dos Técnicos Superiores de Saúde das Áreas de Diagnóstico e Terapêutica, Luís Dupont, lamentou o facto de o Governo não ter feito atempadamente as contratações necessárias para ultrapassar o impacto desta medida nas instituições e antecipou as suas consequências.

"O que vai ficar em causa é provavelmente um aumento de listas de espera" para a realização de exames e um atraso na entrega de resultados, por exemplo das análises clínicas, mas nunca pondo em causa as "necessidades impreteríveis dos serviços de urgência", disse o dirigente sindical.

A passagem dos trabalhadores para as 35 horas semanais, em vez das 40 atuais, sem ainda terem sido feitas novas contratações, irá agravar o "défice de trabalhadores" já existente e que leva a que, "todos os dias, todas as semanas, todos os meses, muitos profissionais, principalmente os que trabalham por turnos", tenham de fazer "horas a mais, muitas delas não reembolsadas", disse o sindicalista, advertindo que este "número vai aumentar".

Agravar em período de férias

A situação torna-se mais grave por acontecer no início do período de férias, alerta a Ordem dos Enfermeiros e o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), avisando que o Algarve e o interior do país serão os mais prejudicados.

"Estava previsto que houvesse, nestes primeiros seis meses, um processo ou um plano de contratação de enfermeiros para que, chegados a esta hora, a transição para as 35 horas pudesse ser feita de uma forma o mais calma possível", mas isso não aconteceu, lamentou a dirigente do SEP Guadalupe Simões.

Não tendo sido contratados, até ao momento, os cerca de 2.000 enfermeiros necessários para compensar a redução das 40 para as 35 horas semanais, "o que se avizinha é um período caótico e mesmo de rutura na maioria das instituições, já para a semana", alertou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.