Força Aérea simulou a queda de um C 130 e causou alarme no Alto Minho

Um treino militar, com um Hércules C 130 da Força Aérea Portuguesa, fez acionar meios de socorro a acidentes aeronáuticos de vários corpos de bombeiros e causou "alguma agitação" na população do Alto Minho.

Em declarações à agência Lusa, o primeiro Comandante Operacional Distrital (CODIS) de Viana do Castelo, Marco Domingues adiantou que o exercício "causou alguma agitação nas populações de alguns concelhos como Arcos de Valdevez, Ponte da Barca, Ponte de Lima e Paredes de Coura, com relatos de um avião a sobrevoar a região a muito baixa altitude".

O responsável pela proteção civil no distrito de Viana do Castelo referiu "terem sido acionados os procedimentos próprios de um acidente aeronáutico, entretanto suspensos".

"A Força Aérea, ao ter conhecimento de que tinham sido desencadeados esses procedimentos, informou o Comando Nacional de Operações de Socorro (CNOS), que nos comunicou que se trataria de um exercício militar", explicou Marco Domingues.

Contactado pela agência Lusa, o comandante dos bombeiros voluntários de Arcos de Valdevez, Filipe Guimarães disse ter tido "necessidade de, através das redes sociais, fazer um esclarecimento à população, tantas foram as chamadas que caíram no quartel alertando para a eventual queda de um avião".

"As pessoas ficaram alarmadas com um avião daquele porte a voar tão baixo e com o barulho ensurdecedor que o avião daquele tamanho faz", explicou.

Filipe Guimarães acrescentou que o alerta para "um acidente aéreo, com queda de um Hércules C 130 da Força Aérea Portuguesa", chegou à corporação, cerca das 10:30, "primeiro via 112 e depois pelo CDOS de Viana do Castelo".

"Acionámos de imediato duas viaturas, com cinco operacionais para a zona da União de Freguesias de Arcos de Valdevez (Giela e Arcos São Paio), zona urbana do concelho, para localizar colunas de fumo, que não conseguimos identificar. Quando preparava um novo reforço, com mais duas viaturas fomos informados de que se tratava de um exercício militar", especificou.

O responsável adiantou que "foram ainda acionados os corpos de bombeiros de Ponte da Barca e Monção".

"Na realidade foi avistado um avião militar a sobrevoar Arcos de Valdevez a baixa altitude e a largar um imenso fumo negro. Desconhece-se se houve falta de uma comunicação prévia da realização do referido exercício por parte dos promotores ou se isto também serviu para testar a nossa operacionalidade a nível local e distrital. Importa esclarecer a população que, nada de grave aconteceu e que se tratou apenas de um exercício simulado", escreveu Filipe Guimarães na publicação efetuada na sua página pessoal no Facebook.

Contactada pela Lusa, a Força Aérea escusou-se a comentar a situação.

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.